De la Rúa repreende Cavallo por declarações sobre o Brasil

O presidente da Argentina, Fernando de la Rúa, telefonou nesta sexta-feira a seu colega brasileiro, Fernando Henrique Cardoso, para tentar reduzir o mal-estar causado pelas polêmicas declarações do ministro da Economia, Domingo Cavallo, de que "se o real continuar desvalorizando-se, a Argentina terá que reformular sua relação com o Brasil".Cavallo fez as declarações em tom de ultimato durante um almoço com empresários. Segundo fontes citadas pela agência Notícias Argentinas, antes da ligação telefônica, De la Rúa teria reprendido Cavallo.O presidente teria pedido "mais tato" na relação com o Brasil. A fonte sustentou que, na conversa entre os dois presidentes, as declarações de Cavallo foram relativizadas. O chanceler Adalberto Rodríguez Giavarini também conversou com o chanceler Celso Lafer sobre o affaire Cavallo. "A situação já está perfeitamente esclarecida", disse.Segundo o chanceler, "tanto o ministro Cavallo, como seu colega, o ministro Pedro Malan, sabem das dificuldades que existem para coordenar os aspectos macroeconômicos, mas também da vontade de continuar trabalhando dentro do Mercosul para resolvê-los". Um empresário, no entanto, teve uma visão mais cáustica das declarações de Cavallo. Alejandro Sampayo, presidente da Federação de Indústria Têxtil (FITA), afirmou que os problemas com o Brasil não podem ser discutidos durante um almoço. "Eles precisam ser feitos durante as reuniões do Mercado Comum." Com ironia, Sampayo afirmou que "o que Cavallo diz nos almoços é porque a comida caiu mal no estômago ou porque bebeu demais". Segundo o empresário, a proposta de reformular o Mercosul "foi um arroto".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.