Imagem José Roberto de Toledo
Colunista
José Roberto de Toledo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

De exceções a regras

Quando a exceção vira regra é porque a regra virou estorvo opcional. Segui-la não é para todos. No reino da bagunça, cada um faz o que quer, e quem pode manda fazer. Impera o mandonismo, mas falta autoridade. Sem autoridade, viceja o autoritarismo.

José Roberto de Toledo, O Estado de S. Paulo

01 Outubro 2015 | 05h00

Quando policiais militares em mais de um Estado carregam a segunda arma não como backup, mas para plantar na mão de quem executam a sangue frio é porque matar primeiro e acobertar depois deixou de ser a exceção. Virou padrão operacional.

Quando a cena de policiais matando pessoas desarmadas é documentada em vídeo sucessivas vezes e as autoridades eleitas para comandá-los não se dão ao trabalho nem sequer de por a cara a bater em uma entrevista coletiva para explicar a aberração é porque acham aquilo normal. Se a sociedade não cobra explicação, é porque concorda que execução sumária seja mesmo trivial.

Quando se dá prêmio à falta d’água é porque a vergonha secou.

Quando a parcela que acha o governo federal ruim ou péssimo supera os 60% da população pelo sexto mês seguido e não dá sinais de que vá diminuir é porque o problema não é conjuntural. Pode começar a governar porque ele não vai passar sozinho.

Quando seu líder começa a somar o “regular” à taxa de aprovação do governo é porque se acostumou à regra de que todo problema de falta de apoio político se resolve com operações numerológicas.

Quando o governo cogita fechar o único órgão que tenta impor a transparência como regra aos atos do Executivo é porque seu compromisso com o acesso às informações públicas era excepcional e transitório – mera propaganda para somar votos.

Quando uma parte do PMDB faz de conta que desdenha o poder enquanto outra exige da presidente mais ministérios em troca de votos é porque o partido perdeu o pudor de coagir.

Quando a presidente demite ministros com notório saber sobre as áreas que dirigiam para acomodar quem não emplacou em outro ministério ou para emplacar quem promete acomodá-la por mais algumas semanas no poder é porque a coação funcionou. E, como se sabe, a regra é não parar enquanto a presidente ainda ceder.

Quando a oposição se diz disposta a iniciar um processo de impeachment apenas com os votos de maioria simples na Câmara é porque não se importa que a crise de governabilidade vire regra e os próximos presidentes tenham de manter a todo instante e custo o apoio de metade mais um dos deputados para não cair.

Quando a Justiça Eleitoral registra o 35.º partido político é porque vão faltar paciência para o eleitor, dígitos para a urna eletrônica e verbas para o Fundo Partidário. Pode contar que o Congresso vai aprovar uma exceção à regra de austeridade fiscal.

Quando aparece o enésimo testemunho de pagamento de propina a um poderoso, ele permanece no cargo como se nada houvesse ali, e 40 colegas ainda promovem uma festa das Arábias em sua homenagem, em regra é porque compartilham o segredo sobre algum tesouro.

Quando um ministro do Supremo senta em cima de um processo só para atrasar o desfecho de julgamento no qual já foi derrotado é porque sabe que não há limites para quem usa sua toga.

Quando a Câmara sabota o Senado e não aprecia os vetos presidenciais que evitam a implosão das contas públicas, só para forçar seu presidente a colocar em votação a última chance de ressuscitar o financiamento empresarial de campanhas, é porque a nova regra não serve aos deputados, pois cria concorrência.

Quando um deputado vira-casaca endossa quem chama seu ex-partido de prostituta, e o partido faz de conta que não é com ele nem pede abertura de processo por falta de decoro contra o ex-correligionário, os comandantes da legenda dão a entender que isso se tornou uma regra. E que não podem punir o vira-casaca sem arriscarem-se a ele arguir exceção da verdade.

Mais conteúdo sobre:
José Roberto de Toledo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.