Imagem José Roberto de Toledo
Colunista
José Roberto de Toledo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

De achacados e achacadores

Se o Twitter servisse de termômetro, Cid Gomes teria se saído menos pior aos olhos do público do que Eduardo Cunha, no bate-boca entre o ex-ministro da Educação e o presidente da Câmara. No mundo real, Cid perdeu o cargo por causa de quem chamou de achacador. No virtual, o peemedebista teve uma menção positiva para sete negativas - segundo levantamento do Ibope DTM. No caso do cearense a proporção também foi negativa, mas "só" de 2 para 1. Cunha não perdeu o sono por causa disso.

José Roberto de Toledo, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2015 | 02h08

O tuíte mais popular sobre o presidente da Câmara foi escrito pela ex-deputada Luciana Genro, do PSOL gaúcho: "Parece que Dilma entregou a Presidência para Eduardo Cunha; agora ele anuncia demissão de ministro". É um bom resumo do que foi a repercussão do episódio na opinião pública: Cunha reforçou sua fama de mau às custas do enfraquecimento do governo.

O caso poderia virar episódio de House of Cards, o seriado político mais badalado do Netflix. Na série, o protagonista Frank Underwood vive às últimas consequências o seu moto: "As pessoas respeitam o poder, não a honestidade". Underwood sai da liderança do partido governista no Congresso para a Presidência dos EUA sem receber nem sequer um voto. Ao tomar posse da Casa Branca, zomba: "Democracia é tão superestimada".

Em Brasília, Cunha deu mais uma demonstração de força graças a Cid. Fez média com os colegas ao posar de defensor da categoria e ainda ganhou manchetes. Não agradou todo o eleitorado, só a parte que lhe interessa. De quebra, obscureceu a divulgação do plano anticorrupção do governo. Cunha recebeu mais do que o dobro de menções no Twitter do que o pacote de Dilma.

Esse caso mostra, pela enésima vez, que a principal força de oposição à presidente e ao PT é interna, não externa. O PMDB e seus líderes são capazes de impor mais desgaste ao governo do que qualquer partido de oposição, muito mais do que o PSDB. Não que os peemedebistas precisem se esforçar para isso.

Na maioria das vezes, os dilmistas oferecem a oportunidade para o PMDB dar o troco e sair por cima. Isso aconteceu sempre que os petistas tentaram uma manobra para enfraquecer o suposto aliado. Cunha e Renan Calheiros se elegeram presidentes da Câmara e do Senado, inviabilizaram o novo partido de Kassab - que o PT sonhava contrapor ao PMDB -, criaram CPIs que são uma espada sobre a cabeça do governo e guardam na manga a carta do impeachment. Como diz Frank, "amigos viram os piores inimigos".

Onde não estamos. Foi mais uma trapalhada de comunicação. Conheceu-se o diagnóstico - ou um diagnóstico - que o primeiro escalão federal faz da situação política do governo: "Caos". São oito páginas sobre o que seriam as causas que levaram Dilma a uma impopularidade sarneyziana, e raras menções à economia. Quando muito, para dizer que a militância petista não compreendeu o ajuste proposto, ou que não adianta falar que a inflação está sob controle.

Ao menos a presidente desqualificou o documento. Pelo que disse em sua entrevista coletiva e reforçou em declarações subsequentes, Dilma parece ter se dado conta que não lhe resta outra saída senão aprovar o ajuste fiscal de Joaquim Levy no Congresso - o que significa, basicamente, cortar gastos. E que não há como conseguir os votos necessários para aprovar os cortes sem engolir sapos do PMDB. Azia é melhor do que inanição.

A culpa é do Supremo. Seminário conjunto da FGV e da USP sobre reforma política. Alguns dos melhores cientistas políticos do País, e uma conclusão: a culpa é do Supremo. Não tivessem os ministros do Tribunal acabado com a cláusula que barrava os partidos nanicos nem dado tempo de TV e dinheiro a partidos de ocasião, não se falaria em reforma política. Aliás, estudo apresentado lá mostra que, pela história, não se falará mais no assunto já em agosto. Ainda bem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.