Dassault comemora negociações para venda do Rafale

Transação com Brasil põe fim a 20 anos de tentativas frustradas de exportação dos caças franceses Rafale

Andrei Netto, de O Estado de S.Paulo,

07 de setembro de 2009 | 19h23

Os 36 aviões de caça Rafale que serão adquiridos pelas Forças Armadas brasileiras custarão entre € 3 bilhões e € 4 bilhões, dependendo do pacote tecnológico e dos armamentos que acompanharão as aeronaves. Para a Dassault, o início das negociações, que devem ser concluídas até 2010 - com a entrega de um primeiro aparelho em 2013 - representa não apenas uma grande venda em meio à crise do setor aeronáutico, mas o fim de 20 anos de negociações frustradas para a exportação dos caças franceses.

 

Veja também:

linkNegociação de caças franceses prevê venda de jato da Embraer

linkMídia francesa ressalta fim do recesso de vendas externas

linkBrasil e França anunciam negociação de 36 caças de combate

linkAmorim justifica compras militares para 'defender pré-sal'

linkSarkozy chega ao Brasil para assinar acordos com Lula

especialEspecial: Os guardiões submersos da costa brasileira

 

O anúncio em nota oficial emitida em Brasília nesta segunda-feira,7, foi celebrada em Paris como vitória praticamente certa sobre os rivais Saab, fabricante sueco do Gripen NG, e Boeing, projetista americano do F/A-18 Super Hornet, ambos até agora na disputa pelo contrato FX-2.

 

"Se o presidente brasileiro anuncia sua decisão de negociar a compra dos Rafale, nós passamos a acreditar que essa venda de fato acontecerá", afirmou ao Estado Yves Robins, diretor de Relações Exteriores da Dassault em Paris, sem confirmar as cifras.

 

O anúncio poderia ser celebrado em 23 de outubro, que marca os 103 anos do primeiro voo de Santos Dumont com o 14 Bis, no campo de Bagatelle, na capital francesa. A companhia, contudo, é mais cautelosa e aposta em vários meses de discussões com o Ministério da Defesa do Brasil. "Estimamos que o negócio pode ser concluído em 2010."

 

Será necessário definir os termos da parceria que a Dassault será obrigada a forjar com empresas brasileiras, como a Embraer - da qual tem participação.

 

Alívio financeiro

 

A venda representa alívio financeiro para a companhia. A Dassault enfrentava os efeitos da crise do setor aeronáutico militar. Em abril, a companhia reconheceu que em caso de persistência da recessão seria obrigada a implantar um plano de demissões voluntárias a partir de setembro, reduzindo seu efetivo de 8,2 mil funcionários - pela primeira vez desde 1990.

 

A supressão de postos de trabalho também tinha relações com a dificuldade da Dassault de emplacar o Rafale no exterior, projeto que já supera os 20 anos. Todos os esforços para vender os jatos a países como Marrocos e Índia foram em vão.

 

"O anúncio brasileiro é importante porque reforça a credibilidade do Rafale no mercado exterior", reconheceu Robins.

 

Helène Masson, especialista em indústria bélica da Fundação para a Pesquisa Estratégica, de Paris, lembra que a falta de vendas do caça não gerava crise, mas "uma pressão" sobre a companhia, criando dúvidas sobre a manutenção dos escritórios de projeto e sobre parte das usinas da empresa. "O Brasil é o primeiro cliente que a Dassault procurava havia muito tempo. Hoje (segunda) é uma data chave para a empresa, pois será estratégico para o planejamento da companhia em longo prazo."

 

O eventual sucesso da parceria com empresas brasileiras também pode alavancar projetos em curso da companhia.

 

Segundo Helène, a perspectiva de que um novo Rafale, 100% francês, seja construído é remota, diante da diluição de custos obtidas por outros países, como Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido, que investem no Eurofighter Typhoon. "Associar-se a outros países, que não os europeus, na produção de novos aviões militares pode ser uma estratégia útil à companhia", diz a especialista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.