Dante de Oliveira é supultado com honras de chefe de Estado

Milhares de pessoas, além de importantes lideranças políticas, participaram hoje das homenagens ao ex-governador de Mato Grosso Dante de Oliveira, de 54 anos. Dante foi sepultado no começo da noite com honras de chefe de Estado no túmulo da família, no cemitério da Piedade, em Cuiabá.Ele morreu ontem, de infecção generalizada, provocada por uma pneumonia e agravada por um quadro grave de diabetes. Dante se tornou nacionalmente conhecido em 1984 quando, então deputado federal, apresentou projeto propondo eleições diretas para presidente. A emenda se tornou símbolo da campanha pela redemocratização, conhecida como "Diretas-já". A emenda, no entanto, não foi aprovada. Casado com a deputada federal Thelma de Oliveira (PSDB), ele não deixa filhos. Durante todo o dia foram prestadas homenagens ao ex-governador. No começo da tarde, o arcebispo de Cuiabá, d. Milton Santos, conduziu uma cerimônia de culto ecumênico na Assembléia Legislativa para os familiares, amigos, políticos e populares que foram ao local para se despedir do ex-governador.As cerimônias reuniram políticos de todos os partidos, entre aliados e adversários de várias regiões do País. O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), lamentou o que chamou de falta de reconhecimento político de Dante em vida. "Dante foi o grande responsável pela conquista da democracia. Ele foi injustiçado, mas morreu honesto. Precisou morrer para ter reconhecimento", disse o governador.Apesar do início da campanha eleitoral, a maioria dos políticos evitou fazer comentários sobre as eleições e denúncias.O senador tucano e candidato ao governo de Mato Grosso, Antero Paes de Barros, também lamentou a suposta falta de reconhecimento pela trajetória política de Dante. "Seria preferível que Dante já estivesse eleito para mostrar que a opinião da população o consagraria", disse referindo-se à candidatura do autor da emenda Diretas-Já, que iria concorrer a uma vaga para deputado federal pelo PSDB.Em 2002, Dante tentou se elegeu senador, mas foi derrotado. "Dante foi um grande político da nossa geração. Sua maior obra foi a democracia. E o mais triste é que ele morreu tão injustiçado", disse Antero.O vice-presidente José Alencar (PRB) compareceu ao velório representando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "O Brasil soube admirar um político corajoso, e que sempre que se falar em ´Diretas já´, o povo brasileiro lembrará do nome Dante de Oliveira", disse, evitando falar sobre as eleições.Cúpula tucana O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, lamentou a morte prematura do tucano. Alckmin alterou sua agenda para ir a Cuiabá prestar homenagem ao amigo. "Dante foi um político muito importante para o país, realizando grande trabalhos para Cuiabá, para o Estado e para o país e que ninguém nas ´Diretas Já´ teve mais perseverança, apresentando a emenda para a redemocratização. Agora temos uma democracia consolidada", lembrou.Para o candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, José Serra, Dante era ´um homem batalhador´. "Sempre me lembro dele na época em que era ministro. Estava sempre brigando por mais recursos na área da saúde. Essa é a lembrança que ficou", disse Serra.Em nota, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que a morte de Dante causa pesar em todos aqueles que tomaram parte na oposição ao regime autoritário e na defesa da democracia brasileira nos últimos 20 anos. "Dante de Oliveira deixa sua marca na história política do país. Com certeza, fará falta nas lutas próximas e futuras pelo fortalecimento da democracia no Brasil", disse Fernando Henrique.Luto oficial Além decretar luto oficial no Estado por três dias, governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PPS), suspendeu o expediente nas repartições públicas para que os servidores pudessem comparecer à cerimônia de despedida. "Todos devem reconhecer sua importância no cenário político brasileiro, pela coragem que teve de lutar pelos sonhos, acelerando um processo que deu abertura à redemocratização do Brasil. Mato Grosso e o País estão assustados e, nossa população, desolada com a morte dele", afirmou Maggi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.