Dantas vai a audiência e acusa Protógenes de criar dificuldades

Ele reiterou as críticas feitas ontem, à atuação do delegado, durante depoimento à CPI dos Grampos

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

14 de agosto de 2008 | 09h52

O sócio fundador do Banco Opportunity, Daniel Dantas, chegou na manhã desta quinta-feira, 14, à 6ª Vara Criminal da Justiça Federal, em São Paulo, para uma audiência com o juiz Fausto Martin de Sanctis, que tomará os depoimentos dos delegados federais Protógenes Queiroz e Vitor Hugo Rodrigues Ferreira e do escrivão Amadeu Ranieri. Veja Também:Entenda a briga de Dantas na maior disputa societária do País Dantas acusa chefe da Abin de arquitetar Satiagraha Dantas diz que 'facções do governo' o perseguem por BrTProtógenes disse que ia investigar filhos de Lula, diz Dantas'Não tenho menor dúvida de que fui grampeado', diz DantasEntenda como funcionava o esquema criminoso As prisões de Daniel Dantas Os três são testemunhas de acusação do Ministério Público em processo que resultou da Operação Satiagraha, da Polícia Federal, que desmontou suposto esquema de desvio de recursos públicos, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Ao chegar, por volta das 9h, Dantas reiterou as críticas feitas na quarta-feira, 13, à atuação do delegado Protógenes Queiroz, durante depoimento à CPI dos Grampos, em Brasília. "Ele tem um objetivo, acho que não é pessoal", disse. Sobre quais seriam estes objetivos, disse apenas que o delegado "quer criar dificuldades". Todos os réus na operação Satiagraha foram intimados a comparecer à audiência de hoje, segundo a assessoria da Justiça. Dantas, Humberto Braz e Hugo Chicaroni são acusados de corrupção ativa. No interrogatório da semana passada, Dantas permaneceu calado, por orientação do advogado, que alegou falta de provas fundamentais nos laudos. A defesa pede a transcrição integral das fitas do encontro entre Humberto Braz, Hugo Chicaroni e o delegado Vitor Hugo, no qual houve uma suposta tentativa de suborno. No depoimento desta quinta-feira, Dantas deve ficar novamente calado. Isso porque, na chegada dos advogados defesa, houve confusão. A audiência estava marcada para as 9h e até 9h30 os advogados de Dantas não haviam conseguido chegar até o local. Por causa da confusão, Nélio Machado, advogado de Dantas, afirmou que seu cliente vai ficar calado na audiência de hoje. "Se eu tinha alguma dúvida se o meu cliente iria silenciar hoje, a dúvida acabou agora", afirmou Machado, que voltou a atacar as "inúmeras ilegalidades" do processo. O advogado disse ter sido barrado na entrada do fórum e reclamou do fato de as testemunhas que serão ouvidas hoje pelo juiz De Sanctis terem entrado para a audiência sem a fiscalização" da defesa. Ele criticou ainda o tratamento "não igualitário" entre a defesa e as testemunhas. Nélio Machado voltou a reclamar da falta de provas fundamentais nos laudos. De acordo com ele, não foi fornecida a transcrição integral das fitas nas quais Braz e Chicaroni supostamente oferecem suborno ao delegado Vitor Hugo. "Não estão no processo e, pelo jeito, não pretendem colocar", disse. Ele acrescentou que tomará medidas para que isso seja feito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.