Dantas obtém autorização para vender rebanho

A Justiça Federal autorizou expressamente ontem a Santa Bárbara Xinguara, suposto braço agropecuário do banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity, a comercializar seu rebanho, desde que mantida a média atual de cabeças de gado, 453 mil espalhadas por 27 fazendas - alvos de sequestro decretado pelo juiz Fausto Martin De Sanctis nos autos da Operação Satiagraha.A medida atende a petição dos advogados Dora Cavalcanti Cordani e Rafael Tucherman, que defendem a Santa Bárbara. A 6ª Vara Criminal Federal, da qual De Santis é o titular, esclareceu que a decisão dele não teve como objetivo impedir o funcionamento regular da principal atividade das propriedades, mas apenas o de resguardar para a União os valores lá existentes - a Polícia Federal e a Procuradoria da República suspeitam que Dantas usava as fazendas para ocultar recursos ilícitos em esquema de lavagem.Segundo a 6ª Vara, a decisão de De Sanctis "não proibia a regular atividade" das fazendas, tanto é que ele nomeou o executivo Carlos Rodenburg fiel depositário dos bens sequestrados, a ele dando poderes de manejo do gado. O esclarecimento da 6ª Vara foi dado em resposta à defesa, que pediu reconsideração parcial do sequestro. Os advogados ofereceram argumentos técnicos para convencer a Justiça a liberar o corte de gado. Alegaram que a paralisação levaria o complexo "à bancarrota", pondo em risco 1,8 mil empregos diretos e cerca de 10 mil indiretos. A defesa informou que até o fim de 2009 deverão nascer 160 mil bezerros e o congelamento dos negócios causaria "um colapso"."A medida foi extremamente sensata porque aclarou a decisão do juiz De Sanctis", anotou Dora Cavalcanti. "No conceito de manejo necessariamente tem de estar compreendida a comercialização do gado, de modo a preservar a saúde financeira da empresa. A Santa Bárbara mantém a confiança na Justiça."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.