Dantas: Greenhalgh foi contratado para negociar acordo

O sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas, disse hoje na Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara que investiga escutas telefônicas clandestinas (CPI dos Grampos), que o advogado e ex-deputado petista Luiz Eduardo Greenhalgh foi contratado pelo Opportunity para negociar um acordo com fundos de pensão. Dantas definiu o papel de Greenhalgh como o de "um negociador ou um mediador", uma vez que as relações entre o Opportunity e os fundos, ambos detentores do controle societário da Brasil Telecom (BrT), estavam deterioradas. "Fomos avisados de que éramos o elemento que estava impedindo a venda da Brasil Telecom para a Telemar", disse Dantas, acrescentando que, depois disso, Greenhalgh passou a atuar no sentido de tentar superar o conflito, especialmente com o Fundo Previ. Segundo Dantas, o Previ tinha interesse em comprar a parte do Fundo Opportunity na Brasil Telecom. Dantas disse que, durante o processo de venda do controle societário da Brasil Telecom, surgiu a informação, levantada por Greenhalgh, de que estava muito difícil qualquer acordo. O advogado, então, aconselhou Dantas, segundo relato deste à CPI: "A melhor coisa que você faz é vender (a sua parte) e cuidar da sua vida." Em outra parte do depoimento à CPI, Dantas disse que havia muitas restrições do governo à parte dele (Dantas). "Só tivemos hostilidade. Eu sou participante da venda de parte da Brasil Telecom, e não da compra", afirmou. Acrescentou que o acusam de corruptor e lembrou que, em depoimento no Senado, quando a líder do PT, senadora Ideli Salvatti (PT-SC), o acusou de corruptor, respondeu com uma pergunta: "Quem foi corrompido?". Dantas deixou dúvidas no ar, como: "Dizem que a Telecom Itália distribuiu 25 milhões de euros (em propina) para ter o controle da Brasil Telecom. Mas... para quem? Eu não sei."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.