Dantas e Lacerda pedem ao STF proteção contra prisão

O banqueiro Daniel Dantas e o ex-diretor da Polícia Federal (PF) Paulo Lacerda recorreram hoje ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir que não serão presos durante depoimentos à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Escutas Telefônicas, marcados para esta semana. Os dois querem receber o apoio de seus advogados durante os depoimentos e pedem que lhes seja garantido o direito ao silêncio diante de perguntas que possam incriminá-los. Os pedidos de liminar serão analisados pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello.

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agencia Estado

14 de abril de 2009 | 19h10

Eles também não querem assinar um termo de compromisso de que prestarão o depoimento na condição de testemunha. No caso de Dantas, que tem o depoimento marcado para quinta-feira, os advogados solicitaram ainda acesso às provas já produzidas pela CPI, sigilosas ou não, sobretudo ao depoimento do delegado de PF Amaro Vieira Ferreira, que é corregedor. Dantas foi investigado e preso na Operação Satiagraha.

Apesar do pedido, Lacerda já avisou à CPI que não irá depor amanhã. Ele quer falar diretamente de Portugal, onde trabalha atualmente como adido policial na embaixada brasileira. Segundo ele, o depoimento poderia ser dado por meio de um instrumento conhecido como carta rogatória. "Um eventual deslocamento ao local designado para a realização da malfadada audiência implicaria em prejuízos à sua atividade profissional, bem assim, às suas relações pessoais", sustenta o ex-diretor na ação encaminhada ao STF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.