Dantas diz que flagrante de suborno foi 'armação'

Munido de um laudo produzido pelo perito Ricardo Molina, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o banqueiro Daniel Dantas apresentou hoje à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Grampos, na Câmara, um documento no qual sustenta não ter havido flagrante de oferta de US$ 1 milhão a um delegado da Polícia Federal durante a Operação Satiagraha. Segundo a denúncia do Ministério Público, Dantas teria utilizado Humberto Braz e Hugo Chicaroni para tentar subornar o delegado Victor Hugo Ferreira e, dessa forma, tirar seu nome das investigações da Satiagraha. "Isso é uma armação. Esse crime não houve", disse Dantas.

ANA PAULA SCINOCCA, Agencia Estado

16 de abril de 2009 | 15h31

Dantas foi condenado pelo juiz Fausto de Sanctis, da 6ª Vara Criminal, a dez anos de prisão por corrupção ativa e ao pagamento de multa de R$ 12 milhões pelo suposto suborno. O laudo apresentado por Dantas mostra que a voz flagrada na tentativa de suborno não seria de Braz. Apesar do empresário aparecer nas imagens que flagraram a cena do crime, Dantas disse que a fita foi utilizada para insinuar o suborno, mas teria sido adulterada para que as vozes não coincidissem com as imagens.

"A conversa sobre o dinheiro ocorreu quando o Braz estava no banheiro. A voz não é do Humberto Braz, está aqui na gravação. Ele foi ao banheiro, o delegado chama o cinegrafista para filmar o flagrante. Esse é o espírito da operação controlada. Mas não fizeram o flagrante", afirmou. No laudo, Molina afirma: "a atribuição das falas no trecho comentado ao interlocutor Humberto Braz é um ato arbitrário, sem qualquer fundamento técnico".

Molina diz, ainda, que a gravação apresentada pela PF é de "péssima qualidade" e que 78,7% das falas da gravação não foram transcritas no relatório apresentado pela PF. Dantas disse que a PF destruiu provas do suposto flagrante de suborno ao depositar US$ 1 milhão oferecido ao delegado na Caixa Econômica Federal. "Na prisão do dinheiro, o natural seria identificar de onde o dinheiro saiu, como pediu o Ministério Público. A Polícia Federal destrói a prova. A cédula foi depositada no banco, misturou as cédulas. Não tem como saber de onde vem o dinheiro", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
CPI dos GramposDantaslaudosuborno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.