Dados de caixa preta podem aliviar pressão sobre governo, diz Washington Post

Jornal diz que hipótese de erro humano ganha força em investigação do acidente.

BBC Brasil, BBC

01 de agosto de 2007 | 06h39

O vazamento de informações da caixa preta do Airbus A320 pode aliviar a pressão política sobre o governo Lula, se for confirmado que um erro humano foi a causa direta do acidente que deixou 199 mortos em São Paulo, afirma uma reportagem do jornal Washington Post nesta quarta-feira.Citando "fontes familiares à investigação", repórteres do diário americano em Washington, Rio de Janeiro e Buenos Aires dizem que essa é a hipótese em que mais crêem os investigadores.O jornal afirma que a explicação do acidente seria um erro dos pilotos ao ajustar os manetes que controlam a velocidade da aeronave durante o pouso."Quando se aproximavam do aeroporto de Congonhas, os pilotos programaram os controles eletrônicos dos motores - semelhantes a mecanismos de navegação de um carro - para manter uma velocidade de cerca de 150 milhas por hora, de acordo com as fontes.""Quando o avião estava a 30 pés do chão, os pilotos corretamente colocaram um dos motores em ponto morto, mas não fizeram o mesmo com o outro motor.""Quando os pilotos aplicaram o freio, o segundo motor automaticamente tentou acelerar para manter a velocidade programada de 150 milhas por hora. Isto fez o avião virar para a esquerda e tornou impossível parar", relata o Post.O efeito teria sido piorado pelo fato de o reversor - um mecanismo de freio - de uma das turbinas estar quebrado.O jornal americano diz que as revelações, se confirmadas, "levantariam dúvidas sobre especulações de que a culpa (pelo acidente) seria das más condições da pista, e poderiam aliviar a pressão sobre um governo que muitos brasileiros ainda culpam pelo pior desastre aéreo do país".Em matéria separada, o jornal El País também tratou das críticas recentes ao governo Lula.Em reportagem intitulada "Lula desafia aos que lhe vaiam", a versão online do diário diz que o presidente Lula "está convencido de que o movimento ''Cansei'', ao qual aderiram organizações não-governamentais e é patrocinado por alguns empresários, está nascendo no seio da classe média e rica".Em um duro discurso em Cuiabá, segundo o El País, Lula disse que a elite deve se sentir incomodada porque ele, um ex-torneiro mecânico, vai "entrar para a história como o (presidente) que criou mais universidades federais".O jornal destacou ainda que Lula desafiou seus críticos que convocam demonstrações antigoverno, dizendo: "Se quiserem brincar com a democracia, ninguém sabe nesse país colocar mais gente na rua do que eu".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.