Da Nicarágua, Lula cobra desfecho rápido para caso

Em Manágua, presidente reclama da demora no processo, argumentando que ''''não pode ficar a vida inteira dependendo dos discursos políticos''''

Denise Chrispim Marin, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou claro ontem que mantém seu respaldo ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Para a imprensa, Lula relatou que telefonou para o senador para dar-lhe ''''os parabéns'''' pelas votações de anteontem na Casa e sustentou que é preciso esperar decisão final das investigações do Supremo Tribunal Federal e do Conselho de Ética.Entretanto, queixou-se da demora na solução do caso. ''''Esse caso não pode ficar a vida inteira dependendo dos discursos políticos'''', disparou. ''''Em algum momento vai ter de decidir. Ou o Senado julga, ou a PF investiga, ou a Suprema Corte julga, porque tudo tem de ter um começo, meio e fim.'''' Questionado sobre o que prevê como ''''fim'''', Lula declarou: ''''Quem sou eu para determinar qual o tempo que o Congresso vai ter para decidir? O máximo que faço é decidir minha agenda e as coisas no Executivo.''''O presidente ressaltou que cabe ao Supremo e ao Senado chegarem a uma conclusão sobre o caso e reforçou sua tendência de não interferir. Afirmou que foi ''''o único presidente'''' brasileiro que nunca se queixou do Congresso. ''''Precisamos aprender a conviver com a democracia e com os percalços da democracia, que é boa, às vezes incomoda, mas ainda é o melhor regime para que a gente possa viver tranqüilamente'''', afirmou.Em relação a Renan, Lula ressaltou que ele apresentou todos os documentos exigidos por seus investigadores. ''''Todo brasileiro terá meu apoio porque todos são inocentes até que se prove o contrário'''', declarou, ao ser questionado se manterá seu apoio à permanência de Renan no posto. ''''Todo mundo pode levantar suspeita sobre todo mundo. O que nós precisamos é permitir que as pessoas tenham tempo de provar se são culpadas ou não e, ao mesmo tempo, serem julgadas corretamente.''''Lula informou que na noite de anteontem recebeu o relato do ministro das Relações Institucionais, Walfrido Mares Guia (PTB), sobre o resultado favorável de votações no Senado - fato que usou para confirmar sua avaliação de que a Casa não está paralisada por conta de Renan continuar na sua presidência. Em seguida, ligou para ele, para cumprimentá-lo. O próprio senador, segundo Lula, contou-lhe sobre o processo de investigação em andamento no Supremo.Em trechos da viagem oficial, os jornalistas do Estado aceitaram convite da Presidência para usar um avião da FAB por falta de vôos comerciais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.