D. Cláudio se despede de São Paulo em missa com 2 mil fiéis

Após oito anos em São Paulo, o cardeal d. Cláudio Hummes despediu-se neste domingo da cidade. O religioso viaja no próximo domingo para Roma, onde assumirá o cargo de prefeito da Congregação para o Clero.D. Cláudio será lembrado como bispo dos trabalhadores, do diálogo e do clero. A missa de despedida dele nesta tarde na Catedral da Sé, com cerca de 2 mil pessoas, foi marcada por uma mensagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por faixas de moradores de rua e de desempregados que se despediam do cardeal.O cardeal, que já foi bispo de Santo André e depois arcebispo de São Paulo, deverá ter seu sucessor nomeado nos próximos dias, como ele mesmo informou antes da missa. Se a indicação não sair logo, o Colégio de Consultores, de sete membros, elegerá um administrador diocesano para dirigir a arquidiocese até a escolha do novo arcebispo. Mensagens "Mais importantes que todas as suas pregações, sempre tão profundas e consistentes, têm sido seus gestos proféticos, desde os tempos das greves do ABC", disse Lula num texto lido por um dos bispos auxiliares de São Paulo, d. Pedro Luiz Stringhini, no fim da missa. O governador Cláudio Lembo elogiou a nomeação de d. Cláudio para prefeito da Congregação do Clero e disse ter certeza de que, em Roma, ele mostrará o que sofre o povo brasileiro. O rabino Henry Sobel, presidente do Rabinato da Congregação Israelita Paulista, que se sentou entre os bispos, ao lado do altar, a convite de d. Cláudio, também exaltou as qualidades do arcebispo. "Dom Cláudio é uma pessoa correta e confiável, que tem todos os valores de um líder religioso - fé, firmeza, equilíbrio, moderação, discernimento e sensibilidade."DespedidaEm meio aos elogios, d. Cláudio falou com emoção de sua passagem por São Paulo. Agradeceu a colaboração dos auxiliares, encorajou os movimentos pastorais, destacando o Povo da Rua e as Comunidades Eclesiais de Base (Cebs), e pediu apoio para seu sucessor. "O novo arcebispo chegará com novas iniciativas e propostas. Que tenha liberdade e apoio." Ao agradecer o trabalho do clero, o cardeal lembrou que os padres são seres humanos e pecadores. "Dizem que os padres têm problemas, mas são apenas 0,001%, enquanto mais de 99% são padres dedicados e generosos." Para d. Cláudio, que na Congregação para o Clero será responsável por cerca de 450 mil padres no mundo, "um só caso grave seria de grande preocupação, mas generalizar as acusações seria hipocrisia". O prefeito Gilberto Kassab, o ex-governador Geraldo Alckmin, o senador Eduardo Suplicy, a deputada Luiza Erundina e os ex-ministros João Sayad e José Gregory foram à missa de despedida do cardeal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.