D. Cláudio Hummes pede na missa de Covas o fim da corrupção

Ao celebrar a missa de 7º dia em intenção ao governador Mário Covas na noite desta terça-feira, o cardeal arcebispo metropolitano de São Paulo, dom Cláudio Hummes, disse que o grande desafio para a classe política é conciliar a política e a ética. ?Sabemos que a corrupção é uma chaga na política e na vida política?, afirmou ele durante a celebração, encerrada às 21h30 no ginásio coberto do Ibirapuera.D. Cláudio citou uma frase de Covas como paradigma do pensamento a ser seguido: "A verdade será sempre a minha arma política. Afirmo sem vacilar que é possível conciliar política e ética, política e honra e política e mudança".O cardeal homenageou o governador, morto às 5h30 do último dia 6, após uma longa luta contra o câncer, dizendo que ele é um exemplo a ser seguido pelos políticos e cidadãos.Encerrada a missa com uma chuva de papel branco, dona Lila Covas, viúva do governador, passou a presidência do Fundo Social de Solidariedade à primeira-dama Maria Lucia Ribeiro Alckmin. Muito emocionada ao receber um buquê de flores de sua antecessora, Maria Lucia chorou muito, sendo amparada pelo governador Geraldo Alckmin. Dona Lila e a maioria da família usavam roupas brancas.A missa reuniu 5 mil pessoas, de acordo com funcionários do governo do Estado, o que representa metade da capacidade do ginásio. Todo o secretariado, amigos, políticos e autoridades acompanharam a celebração, que, além d. Cláudio, reuniu 43 religiosos e foi iniciada às 19h45.O rabino Henri Sobel, da Congregação Israelita Paulista, arrancou palmas da multidão em dois momentos. Primeiro, quando disse que, ao contrário do que se costuma dizer, há, sim, algumas pessoas insubstituíveis ? como Mário Covas.O segundo momento foi quando fez uma comparação da morte de Covas com a partida de um barco. "Ele se foi no oceano, um barco grande, forte, poderoso. Vai ficando pequenino, no horizonte, mas na verdade continua grande; a gente é que o vê pequeno. E, enquanto dizemos adeus, do outro lado alguém o vê aproximar e fica feliz por ele estar chegando." Os ministros da Saúde, José Serra; da Educação, Paulo Renato de Souza; a prefeita Marta Suplicy e o governador de Sergipe, Albano Franco, também estavam presentes.Na oferenda, vários segmentos da sociedade fizeram uma homenagem ao trabalho do governador paulista. O líder do MST, José Rainha, levou uma enxada ao altar, em agradecimento aos assentamento feitos por Covas no Estado. Idosos, agentes comunitários e bolsistas das frentes de trabalho também levaram simbolicamente oferendas em homenagem ao governador. Militantes do PSDB leram frase ditas por Covas que simbolizam sua trajetória política.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.