CVM investiga participação de Estevão em fundo em paraíso fiscal

O presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Luiz Leonardo Cantidiano, informou hoje que irá solicitar ao governo das Ilhas Cayman informações sobre a participação do ex-senador Luiz Estevão em operações irregulares no Opportunity Fund. O fundo registrado em um dos mais famosos paraísos fiscais está na sendo investigado pela CVM desde o final de 2000 por suspeitas de ter entre brasileiros os cotistas. Constituído em 1995, o fundo só tem autorização da autarquia para administrar recursos de estrangeiros no Brasil.Entretanto, existem fortes suspeitas que vários brasileiros seriam cotistas do fundo e de olho no benefício fiscal embutido nas aplicações em fundos. Como são destinados a estrangeiros são isentos da tributação local. "Existe um inquérito aberto e vamos apurar a participação de Estevão", afirmou Cantidiano. Segundo ele, a CVM já solicitou às autoridades de Caymam informações sobre a participação de brasileiros neste fundo, mas até o momento não obteve resposta. "Eles ainda não mandaram a lista dos investidores", disse. Cantidiano alertou que as Ilhas Cayman não integra a Iosco, uma entidade que congrega os órgãos reguladores do mercado de capitais no mundo e que privilegia a troca de informações. "Eles não aceitam pedidos genéricos. Temos que solicitar informações por nomes.Segundo fontes do mercado, a CVM teria encaminhado um lista com 24 brasileiros suspeitos de aplicarem no Opportunity Fund. Entretanto, o nome do ex-senador não estaria nesse pedido. No inquérito aberto contra o Opportunity Fund, a CVM encontrou uma série de contas que terminavam como número 368. Os fiscais da autarquia teriam identificado que essas cotas eram vendidas para brasileiros e estavam sendo movimentadas por Verônica Dantas, irmã do dono do grupo Opportunity, Daniel Dantas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.