CUT tentará greve geral de servidores federais

O presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), João Felício, anunciou hoje uma greve geral de funcionários públicos federais para setembro, caso o governo não inclua na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) a previsão de reajuste de salários dos servidores e de ganhos reais ao salário mínimo, conforme notícia do jornal O Globo de hoje.A CUT, que antecipou o começo da campanha salarial deste ano de setembro para 17 de agosto, em razão da crise energética e da Argentina, pediu uma audiência com o presidente Fernando Henrique Cardoso com o objetivo de estabelecer uma negociação. "Queremos uma solução negociada, mas, caso não dê certo, não resta outra alternativa, senão a greve geral", observou Felício, que acompanha a Caravana da Agricultura Familar, do presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, pelos três Estados do Sul.Os servidores federais não recebem reajuste há sete anos. Segundo a CUT, as perdas somam 84%. "Não consigo lembrar de uma categoria que, no Brasil, no século 20, tenha ficado todo este tempo sem aumento", afirmou. O movimento grevista atinge algumas universidades federais. O Sindicato dos Servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) promete começar a articulação de greve no dia 8.O presidente da CUT não acredita que o Congresso aceite a proposta do governo. "Se continuar com essa posição, o governo corre sério risco de não aprovar o Orçamento de 2002", avalia. "Quero ver qual deputado vai ter coragem, em ano eleitoral, de enfrentar sua base e não dar os reajustes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.