CUT pede a Lula para manter Marinho no Trabalho

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva resolveu "pensar" no pedido da Central Única dos Trabalhadores (CUT) de manter Luiz Marinho na pasta do Trabalho, segundo diretores da entidade. Até às 22h desta quarta-feira, o Palácio do Planalto não havia confirmado se o presidente do PDT, Carlos Lupi, tomaria posse no cargo nesta quinta-feira ou poderia ir para a Previdência, como era anteriormente cogitado. A agenda de Lula para esta quinta-feira, divulgada pela Secretaria de Imprensa do palácio, informa apenas que o presidente dará posse a novos ministros, sem citar nomes.Lupi, no entanto, passou a tarde dando entrevistas como novo ministro do Trabalho. Pessoas ligadas a Marinho também confirmaram que o presidente do PDT assumirá a pasta. A diretoria da CUT tentou à noite convencer Lula a desistir da escolha dele para o Trabalho. Os sindicalistas disseram ao presidente que a saída de Luiz Marinho da área para chefiar a Previdência será ruim para o diálogo com as centrais sindicais. "Vou pensar", disse Lula, de acordo com os sindicalistas. Os diretores da CUT disseram porém, em entrevista, que saíram do gabinete certos de que Lupi estava confirmado como o novo ministro do Trabalho.Um dos sindicalistas perguntou a Lula se a política do Trabalho seria diferente daqui para a frente, se não houver surpresa e Carlos Lupi assumir de fato a pasta. "Não tem política de ministro no meu governo. Aqui, a política é de governo", teria dito Lula. O presidente explicou, segundo os sindicalistas, que resolveu colocar Marinho na Previdência por "confiar" na capacidade do ex-presidente da CUT no comando da pasta que cuida de aposentados e pensionistas.A presidente interina da CUT, Carmen Foro, relatou que na conversa disse a Lula que Marinho teve uma boa conduta no Trabalho, destacando-se pela política de aumento do salário mínimo. "O presidente nos recebeu e disse que iria pensar no pedido para manter Marinho", afirmou. Já o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Lopez Feijó, não escondeu o desânimo. "Paciência, temos que lidar com isso, é a vida", disse. "O presidente Lula não nos garantiu mudança (rever a decisão de tirar Marinho do Trabalho), mas não tenho que ficar decepcionado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.