CUT orienta trabalhador a não aceitar deságio de 15% do FGTS

O deputado federal Jair Meneguelli (PT/SP), ex-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) , disse nesta sexta-feiraque a entidade está orientando os trabalhadores a não pagarem o deságio de 15% proposto pelo governo para o pagamento dadiferença do Fundo de Garantia por Tempo de serviço (FGTS) e está oferecendo assistência jurídica gratuita aos interessadosem mover ações contra a União.Meneguelli reiterou que tanto a CUT como o Partido dos Trabalhadores (PT) discordamfrontalmente do deságio no pagamento da correção monetária do FGTS expurgada durante os planos Verão e Collor 1, eargumentou que a proposta do governo mostra uma contradição do presidente Fernando Henrique Cardoso. "Antes das eleições, o presidente, candidato à reeleição, disse publicamente, quando foi ganha, no Supremo, aquela ação dos33 metalúrgicos de Canoas: ´trabalhadores, não precisam mais ir à Justiça. Eu reconheço esta dívida e vou estender estasentença a todos os trabalhadores brasileiros´".Meneguelli afirma que, por conta da declaração presidencial, saiu pelas ruas dacidade onde mora, em São Caetano, "informando as pessoas de que poderiam ir ao banco pedir a documentação relativa, poisassim que o governo iniciasse o pagamento, eles já teriam os dados em mãos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.