CUT faz discurso e Força promete sorteios no 1º de maio

A comemoração do Dia do Trabalho, em 1º de maio, vai novamente marcar as diferenças entre as duas maiores entidades representativas dos trabalhadores no País.A Força Sindical prepara uma festa com shows de 20 cantores e grupos famosos, além de sorteios de carros e apartamentos, orçada em cerca de R$ 1,8 milhão.A Central Única dos Trabalhadores (CUT) manterá o tradicional ato com estrelas políticas do PT, embora também tenha contratado três artistas. A central, que não divulgou os gastos com o evento, esperando reunir perto de 100 mil pessoas. A Força espera mais de 1 milhão. No ano passado, com festa similar, a Força Sindical levou ao Campo de Bagatelle, na Zona Norte de São Paulo, 900 mil pessoas, marca que espera superar neste ano. "Vai ser o maior 1º de Maio da história", disse o presidente da entidade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho.Ele ressaltou não ter esquecido as bandeiras de luta da central e, portanto, entre um show e outro, serão lembradas questões como a redução da jornada de trabalho, melhor distribuição de renda, serviço militar não-obrigatório, recuperação dos salários e geração de empregos. Os participantes da festa da Força vão concorrer ao sorteio de dez automóveis Corsa e cinco apartamentos no valor de R$ 42 mil cada.O secretário-geral da entidade, João Carlos Gonçalves, informou que parte dos custos com o evento será paga por empresas, como General Motors, Brahma, Telefônica e Petrobras que adquiriram cotas de propaganda para colocar painéis e balões publicitários no local. Segundo Paulinho, oito canais internacionais de TV, entre eles de redes dos Estados Unidos, México e Bélgica, solicitaram autorização para transmitir o evento. A comemoração da CUT também terá alguns cantores famosos, mas os organizadores preferem destacar as estrelas políticas e os discursos que vão pedir a abertura da CPI da Corrupção, aumento real de salários, geração de empregos, reforma agrária, direitos sociais e pagamento integral da diferença do FGTS. "O mais importante é o nosso plano de lutas, por isso não pretendemos competir com as outras centrais", disse o secretário de Política Sindical da CUT de São Paulo, Carlos Ramiro de Castro.No ano passado, a CUT fez a comemoração em São Bernardo do Campo, berço da central, e conseguiu reunir cerca de 15 mil pessoas. A Força também vai montar no Campo de Bagatelle centrais de serviços gratuitos, como emissão de documentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.