CUT fará denúncia contra Força Sindical

A Central Única dos Trabalhadores(CUT) fará na próxima semana uma denúncia pública contra a ForçaSindical porque esta teria sido beneficiada com recursos doOrçamento da União, no valor de R$ 785 mil, nos 20 diasanteriores à votação da flexibilização da Consolidação das Leisdo Trabalho (CLT), na Câmara. A informação foi dada hoje pelopresidente nacional da CUT, João Felício. Segundo ele, a ação será encaminhada ao presidenteFernando Henrique Cardoso, ao ministro do Trabalho, FranciscoDornelles, e à Organização Internacional do Trabalho (OIT). "Jáéramos contra o aliciamento do governo para atingir seusobjetivos utilizando os deputados, mas usar uma central sindicalé inadmissível", afirma Felício. A denunciação, segundo o secretário-geral da secção deSão Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Valter Uzzo,pode ser feita de duas maneiras: de forma leiga, por meio dosveículos de comunicação, ou jurídica. "Tecnicamente, a denúnciapública é um requerimento feito ao Ministério Público (MP) paraque ele (o MP) proceda a instauração de um processo ou inquéritopara averiguar algum fato ilícito noticiado", diz Uzzo. O presidente da CUT diz também que a central prepara umacampanha para 2002, com o objetivo de discutir os convêniosentre as entidades sindicais e o governo. "Queremos mudar oprocesso para deixar tudo mais claro", afirma Felício. Ele admite também que a CUT pode ter recebido "recursosindevidos", sem que a diretoria saiba. "Por isso, queremostransparência e, se houver alguma incorreção na CUT, iremospunir e até mesmo expulsar o responsável da entidade", ameaça. Na última quarta-feira, o presidente da Força Sindical, PauloPereira da Silva, o Paulinho, disse que os R$ 785 mil não tinhamrelação com a votação CLT. "Trata-se de uma coincidência. Seforem pegar um prazo de 60 dias, por exemplo, verão que tanto aForça quanto a CUT receberam verbas do Orçamento", explicouPaulinho, na ocasião. De acordo com o presidente da central, as duas entidadestêm um convênio com o governo que prevê a liberação quantiaspara a qualificação do trabalhador. "Nossa verba anual é de R$38 milhões e a da CUT é de R$ 35 milhões. O dinheiro é repassadotoda a vez que o pedido é liberado. Se recebemos a verba nosúltimos dias, é porque comprovamos que tivemos gasto com otrabalhador", justifica. O auxílio do governo vem do Fundo de Amparo aoTrabalhador (FAT), que, por sua vez, é formado por uma parcelada arrecadação Programa de Integração Social (PIS). Segundo o deputado Agnelo Queiroz (PC do B-DF), a ForçaSindical, uma das principais aliadas do Executivo na votação doprojeto sobre a CLT, recebeu a última liberação, no valor de R$345 mil, na terça-feira (04). A primeira ajuda teria sido no dia14, quando R$ 440 mil saíram do caixa do Tesouro para o dacentral. Ele promete levar o caso ao Ministério Público (MP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.