André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

CUT e Força afirmam que governo não mostrou alternativa para aposentadoria

Sindicalistas defendem que presidente mantenha a fórmula aprovada no Congresso que considera soma de idade e tempo de contribuição

Ricardo Della Coletta, Victor Martins e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

15 de junho de 2015 | 17h56

Brasília - Depois de se reunir com ministros que discutem uma alternativa à flexibilização do fator previdenciário, os presidentes nacionais da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, e da Força Sindical, Miguel Torres, afirmaram nesta segunda-feira, 15, que o governo não apresentou qualquer proposta para a solução do impasse e pediram que a presidente Dilma Rousseff não vete o texto.

O prazo legal para que Dilma se manifeste pelo veto ou pela sanção da nova fórmula para aposentadorias aprovada pelo Congresso, segundo a qual uma pessoa pode se aposentar quando a soma de sua idade e tempo de contribuição atinge 85 (para mulheres) e 95 (para homens), termina nesta quarta-feira, 17. 

“Para nós, a fórmula 85/95 é o que há de mais importante na agenda da classe trabalhadora hoje. É essencial que Dilma sancione essa fórmula”, declarou Freitas. “Se a presidente Dilma vetar (a fórmula), vamos ao Congresso pedir a derrubada do veto”, completou Torres. Os sindicalistas destacaram a alteração foi aprovada pelo Legislativo e que, se Dilma optar pelo veto, estará diminuindo uma deliberação do Congresso. Eles também questionaram a avaliação do governo de que a adoção das novas regras leve à inviabilização do sistema previdenciário. 

Os dois dirigentes chegaram a acenar com possíveis revisões futuras das normas por conta da evolução da expectativa de vida nacional, desde que o texto esteja sancionado e que não haja veto. Para Freitas, a nova fórmula é de “transição”. “No fórum discutiremos outras propostas para o sistema previdenciário”, disse. Torres, por sua vez, disse que as centrais são contrárias à criação de dispositivos que criem uma idade mínima para a aposentadoria, outra possibilidade aventada. Ele disse ainda que a partir de amanhã os sindicalistas farão uma vigília em Brasília em defesa da sanção da emenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.