CUT defende que população julgue greve de juízes

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, disse estar disposto a criar um mecanismo de ação política para que a população venha a julgar uma eventual greve prometida por juízes trabalhistas para o próximo mês. "Quero saber quem vai julgar essa greve. Estamos dispostos a organizar o julgamento, com interdito proibitório", afirmou, reconhecendo que sua iniciativa teria apenas o caráter político de desmoralizar a paralisação dos magistrados. "Greve de juízes seria o mesmo do que greve de prefeitos, governadores e do presidente da República. Não tem respaldo constitucional", opinou.O sindicalista disse acreditar que os juízes terão "senso de responsabilidade" e não levarão adiante o protesto. "Quer fazer greve? Então vai ser professor, metalúrgico, e não juiz", disse, após participar da 2ª Reunião das Confederações de Empresários com as Centrais Sindicais, ocorrida em São Paulo na sede da Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.