CUT defende que população julgue greve de juízes

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, disse estar disposto a criar um mecanismo de ação política para que a população venha a julgar uma eventual greve prometida por juízes trabalhistas para o próximo mês. "Quero saber quem vai julgar essa greve. Estamos dispostos a organizar o julgamento, com interdito proibitório", afirmou, reconhecendo que sua iniciativa teria apenas o caráter político de desmoralizar a paralisação dos magistrados. "Greve de juízes seria o mesmo do que greve de prefeitos, governadores e do presidente da República. Não tem respaldo constitucional", opinou.O sindicalista disse acreditar que os juízes terão "senso de responsabilidade" e não levarão adiante o protesto. "Quer fazer greve? Então vai ser professor, metalúrgico, e não juiz", disse, após participar da 2ª Reunião das Confederações de Empresários com as Centrais Sindicais, ocorrida em São Paulo na sede da Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT).

Agencia Estado,

22 de julho de 2003 | 13h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.