CUT culpa PM por confronto em Brasília

O presidente da Comissão Executiva Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), João Antônio Felício, divulgou nota à imprensa condenando os incidentes ocorridos durante a manifestação realizada hoje, em Brasília, contra o apagão e a corrupção. Ele sustenta que a marcha pela Esplanada dos Ministérios foi pacífica e organizada, e não houve incidentes durante as três horas de passeata, "apesar de abusivo aparato policial de mais de cinco mil soldados, tropa de choque e cavalaria em provocativa atitude". "Nada teria acontecido se a desqualificada ação da polícia não tivesse ocorrido", afirma Felício. Segundo a nota, o conflito, ao final do ato público em frente ao Congresso Nacional, decorreu em razão do "despreparo" dos policiais, que não protegeram as pessoas que manifestavam de maneira pacífica e não controlaram um grupo de 20 pessoas "alheias ao movimento e em isolada atitude de enfrentamento". "A CUT não pode deixar de responsabilizar o despreparo, as iniciativas e a perseguição do esquema policial nos desdobramentos, com ferimentos e prisão", afirma a nota de Felício. "Tais incidentes só podem interessar àqueles que querem manter o Brasil da desesperança, da prepotência, da violência social e tentar silenciar a digna voz das ruas que claramente demonstra que quer construir um outro Brasil", conclui a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.