CUT acha mínimo "lamentável"; Força cobra promessa de Lula

As duas maiores centrais sindicais do País demonstração irritação e decepção com o novo salário mínimo de R$ 260. Para o presidente da CUT, Luiz Marinho, a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é "lamentável". "Acho lamentável que o governo continue com a história da responsabilidade fiscal", disse. "Na nossa visão, quanto maior o salário mínimo, mais rápido o impacto sobre a economia."Ele afirmou que, nos últimos dias, havia ficado claro que cabia, no Orçamento da União, um reajuste para R$ 270,00. Na avaliação dele, Lula deveria ter dado o maior reajuste possível e não cedido a um reajuste menor combinado com medidas compensatórias, como o aumento do salário-família. "A equipe econômica venceu mais uma vez, mas os movimentos sociais continuarão pressionando por um mínimo maior." O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, divulgou nota na qual cobra respeito e sensibilidade do governo. "Um aumento digno para o mínimo é uma boa maneira de promover a distribuição de renda no país", diz o sindicalista.Para a central sindical, o novo salário mínimo teria de ser de R$ 320. "Esta é a única forma de o governo cumprir uma das promessas da campanha eleitoral, quando o então candidato Lula se comprometeu publicamente a dobrar o valor real do salário mínimo em 4 anos", afirma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.