Cuscuz e Bolsa-Família à mesa

Cuscuz de camarão, picadinho com batata palha e saladas à mesa, mas o prato preferido foi mesmo política e sucessão presidencial. Dilma Rousseff negou até o fim que seja candidata, mas teve ares de campanha o almoço na casa de Marta Suplicy, por ela definido como reunião "alegre, informal". Dilma ouviu sugestões e respondeu a questionamentos sobre educação, pré-sal, emprego e também discorreu sobre violência doméstica. Alguém cobrou até quando fica o Bolsa-Família. "O governo pretendia acelerar a redução do Bolsa se não tivesse a crise internacional."Ouviu incentivos por sua candidatura. Falou do pré-sal como meta a ser alcançada no governo Lula. "É preciso um marco regulatório. O pré-sal é riqueza para antecipar o combate à pobreza.""Ela é muito franca, objetiva", resumiu Viviane Senna, do Instituto Airton Senna. "É muito preparada", anotou a advogada Helena Maria Diniz. "Eu disse que é a primeira vez que a gente tem uma candidata com condição de vitória, mas Dilma não mordeu", contou Patrícia Zaidan, jornalista. "O cuscuz estava muito gostoso", avaliou Luciana Gimenez, apresentadora de TV.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.