Cúpula tucana não abre mão de candidatura própria

O presidente do PSDB, deputado José Aníbal, e o secretário-geral do partido, Marcio Fortes, asseguraram que a pré-convenção para homologação da candidatura do ministro da Saúde, José Serra, à Presidência da República, será realizada no dia 24 deste mês. Márcio Fortes disse que a pré-convenção é importante para definir o rumo que a campanha deve tomar. Ele afirmou também que o PSDB terá candidato próprio, independentemente dos índices obtidos pelo ministro Serra nas pesquisas eleitorais. "Não temos nenhuma preocupação com pesquisa eleitoral que é feita para se tentar adivinhar o resultado eleitoral", ressaltou. O vice-presidente do partido, Alberto Goldman, avaliou que a pré-convenção é necessária para se sentir concretamente a disposição do PSDB em relação às eleições presidenciais. Ele também assegurou que o partido terá candidato próprio, argumentando que o núcleo de pensamento do atual governo é do PSDB. Além disso, afirmou, o partido precisa manter esse núcleo de condução do processo que resultou nas reformas realizadas sob o comando do presidente Fernando Henrique Cardoso. Segundo Goldman, esse é o erro conceitual do governador do Ceará, Tasso Jereissati, ao defender que o candidato do governo possa ser de outros partidos da aliança. A presidente do Instituto Tancredo Neves, deputada Yeda Crusius (RS), disse que além da pré-convenção, o PSDB realizará um congresso no qual será aprovada uma nova diretriz programática do PSDB. "Será a renovação da social democracia brasileira", disse a deputada, comparando essa nova diretriz à reformulação dos programas da esquerda na Itália e do trabalhismo, na Inglaterra, após a queda do Muro de Berlim. Segundo Yeda, a pré-convenção será um ato formal de lançamento da candidatura do PSDB e ponto de partida para a busca das alianças. Ela disse que na reunião de hoje será definido o local da pré-convenção e do congresso do partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.