Cúpula petista tenta neutralizar ação anti-Greenhalgh

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reuniu nesta quinta-feira, no Palácio do Planalto, representantes da cúpula do PT, para buscar uma fórmula de neutralizar o movimento que tenta impedir a eleição do petista Luiz Eduardo Greenhalgh (SP) presidente da Câmara. Do encontro participou ainda o atual presidente, João Paulo Cunha (PT-SP). Também convidado para a conversa com Lula, Virgílio Guimarães (PT-MG), preferido pelo grupo dos que combatem Greenhalgh, saiu do Planalto negando qualquer pretensão de disputar a sucessão de João Paulo com o colega. "Esse movimento quer apenas fortalecer o Legislativo", minimizou Guimarães. "Greenhalgh é o nome que está posto."Não é o que dizem os insatisfeitos de partidos governistas, como o PTB e o PL, e de legendas de oposição ao Planalto, como o PDT e o PSDB. Eles sustentam que Greenhalgh não agrega apoios no plenário e que as resistências contra o ex-advogado do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) vão muito além da bancada ruralista. "Ao contrário do Virgílio, o Greenhalgh não conhece nem 30% dos deputados pelo nome", diz o deputado Jovair Arantes (PTB-GO), um os líderes do movimento que tenta barrar a eleição do escolhido pelo PT. "Até agora a candidatura definida é a do Grenhalgh. Mas todo movimento político sofre mudanças bruscas", disse João Paulo.Antes da escolha de Greenhalgh, ele trabalhou para fazer de Virgílio seu sucessor e, agora, também dá pistas de que há espaço político para a articulação de um "tertius às candidaturas de Grenhalgh e do líder pefelista José Carlos Aleluia (BA). "O Virgílio tem prestígio e força na Câmara, mas sua candidatura não está colocada. Precisamos conversar direitinho para ver como ele se integra a esse projeto novo", afirmou João Paulo, referindo-se à candidatura de Greenhalgh.O movimento dos insatisfeitos com a candidatura de Greenhalgh se intitula "Câmara Forte". De acordo com Jovair Arantes, mais de 50 deputados já se mostram dispostos a apoiar a candidatura avulsa do deputado Virgílio Guimarães. "Decidimos não aceitar que nos empurrem o Greenhalgh goela abaixo", disse Jovair, que ajudou a criar o movimento em um jantar na terça-feira, em seu apartamento funcional em Brasília. "Vamos sondar o Virgílio na semana que vem, para ver se ele aceita a candidatura. Caso contrário, estamos dispostos a lançar outro nome, fora do PT".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.