Cúpula do PSDB minimiza queda de Geddel e foca discurso na crise econômica

Fernando Henrique Cardoso e Geraldo Alckmin comentaram a saída do ministro

Erich Decat e Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

25 de novembro de 2016 | 12h13

BRASÍLIA - Integrantes da cúpula do PSDB minimizaram nesta sexta-feira a atual crise política que atingiu o Palácio do Planalto e culminou na queda do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima.

Ao chegarem no evento realizado pelo partido na Câmara dos Deputados, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ressaltaram que a saída de Geddel é uma prerrogativa do presidente Michel Temer e que o momento é de se focar na atual crise econômica e não “nas pequenas coisas”.

“Os ministros caem e outros vêm. O importante é não perder o rumo. Diante da circunstância brasileira, depois do impeachment precisamos atravessar o rio. Isso é uma ponte, pode ser uma frágil, uma pinguela, mas é o que tem. Se você não tiver a ponte, você cai no rio” ressaltou FHC. Ao falar da atual crise política, o ex-presidente focou suas críticas às gestões anteriores do PT na área econômica.

“O Brasil precisa com urgência tomar medidas de reforma. A situação fiscal nossa é muito ruim. A situação econômica precisa ser reanimada. O desastre produzido pelos últimos governo do PT foi inacreditável. Precisamos ter rumo e pensar mais no pais do que nas pequenas coisas”, considerou.

Logo após as declarações do ex-presidente, o governador Geraldo Alckmin chegou ao evento e adotou o mesmo tom utilizado pelos demais integrantes da cúpula do PSDB. “Essa é uma decisão do presidente da República. Ministro é cargo de confiança do presidentes e a substituição de cargo de confiança é normal. Mas isso é um tema federal”, respondeu.

Questionado se o PSDB manterá o mesmo apoio ao governo Temer, Alckmin ressaltou: “ O governo conta com apoio em todas as medidas de interesse do povo brasileiro. Agora é avançar nas reformas. Agenda brasileira está repleta de urgências”.

Presente no evento, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, evitou a imprensa e não quis opinar sobre a saída de Geddel Vieira Lima. “Não vou dar declarações”, afirmou o ministro para depois ficar em silêncio a cada questão colocada pelos jornalistas.

O estouro da crise, que ocasionou na queda de Geddel, ocorreu após vir a público trecho do depoimento, realizado à Polícia Federal, em que ex-ministro da Cultura Marcelo afirma ter recebido pressão do presidente Temer para liberar um empreendimento imobiliário em Salvador. Calero disse aos investigadores ter gravado conversas sobre o assunto. Foram alvo do "grampo" além do presidente e de Geddel, o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

No depoimento à PF, Calero narrou ter recebido pressão de vários ministros para que convencesse o Instituto do Patrimônio Histório Nacional (Iphan) a voltar atrás na decisão de barrar o empreendimento La Vue, onde Geddel diz ter adquirido um apartamento, nos arredores de uma área tombada de Salvador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.