Cúpula do PSB vai se reunir com Erundina em Brasília

Em entrevista, deputada disse que permanecerá na chapa de Haddad apesar de aliança com Maluf

Daiene Cardoso,

19 Junho 2012 | 13h22

São Paulo, 19 - Na tentativa de apaziguar os ânimos, a cúpula do PSB reúne-se nesta tarde, em Brasília, com a deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP). Na última segunda-feira, 18, ela ameaçou abandonar a chapa petista de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo. Escolhida como vice de Haddad, Erundina se indignou com a imagem do pré-candidato e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva selando aliança com o PP do deputado federal Paulo Maluf.

Em entrevista divulgada nesta terça-feira, 19, pela Rede Brasil Atual, Erundina disse que permanecerá na chapa. "Não sou de recuar. Vou manter a decisão, porque é uma decisão partidária. Vou me empenhar e fazer o melhor que puder para dar minha contribuição, mas vou procurar demarcar campos. De um lado está o seu Maluf, de outro lado estaremos nós e os setores da sociedade que não concordam, ao meu ver, com essa aliança", afirmou.

Na entrevista concedida à Rede Brasil Atual, a deputada afirmou que a presença de Maluf "é um balde de água fria" em seu ânimo, reconheceu que, se soubesse da coligação, refletiria mais antes de aceitar ser vice da chapa e que a candidatura terá agora dificuldades para convencer a militância. "Lamentavelmente temos de conviver com essa situação", concluiu.

A operação para "acalmar" Erundina será liderada pelo presidente nacional do PSB, o governador de Pernambuco Eduardo Campos, pelo vice-presidente nacional da sigla, Roberto Amaral, e pelo presidente estadual da sigla, deputado federal Márcio França. "Não sei como vamos fazer não", desabafou França.

O líder estadual do PSB admitiu que Erundina sabia da aliança com Maluf e que a presença do PP na chapa é justificada pela participação do partido no governo federal. Para ele, a imagem do encontro entre Lula, Maluf e Haddad foi "forte demais" para a deputada. "Ela é muito sensível à opinião pública", avaliou.

Segundo petistas, Lula resistiu ao encontro com Maluf. O pepista impôs a presença do ex-presidente para fechar o acordo com o PT. A imagem do encontro não foi publicada pelo site do Instituto Lula e o encontro sequer é mencionado no perfil do ex-presidente no Facebook. A última foto divulgada pelo Instituto é a de Lula deixando o hospital Sírio-Libanês na quinta-feira, 14, após passar por um procedimento de reavaliação da laringe e a remoção do cateter empregado para o tratamento de quimioterapia de combate a um câncer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.