Cúpula do PSB vai se reunir com Erundina em Brasília

Em entrevista, deputada disse que permanecerá na chapa de Haddad apesar de aliança com Maluf

Daiene Cardoso,

19 de junho de 2012 | 13h22

São Paulo, 19 - Na tentativa de apaziguar os ânimos, a cúpula do PSB reúne-se nesta tarde, em Brasília, com a deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP). Na última segunda-feira, 18, ela ameaçou abandonar a chapa petista de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo. Escolhida como vice de Haddad, Erundina se indignou com a imagem do pré-candidato e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva selando aliança com o PP do deputado federal Paulo Maluf.

Em entrevista divulgada nesta terça-feira, 19, pela Rede Brasil Atual, Erundina disse que permanecerá na chapa. "Não sou de recuar. Vou manter a decisão, porque é uma decisão partidária. Vou me empenhar e fazer o melhor que puder para dar minha contribuição, mas vou procurar demarcar campos. De um lado está o seu Maluf, de outro lado estaremos nós e os setores da sociedade que não concordam, ao meu ver, com essa aliança", afirmou.

Na entrevista concedida à Rede Brasil Atual, a deputada afirmou que a presença de Maluf "é um balde de água fria" em seu ânimo, reconheceu que, se soubesse da coligação, refletiria mais antes de aceitar ser vice da chapa e que a candidatura terá agora dificuldades para convencer a militância. "Lamentavelmente temos de conviver com essa situação", concluiu.

A operação para "acalmar" Erundina será liderada pelo presidente nacional do PSB, o governador de Pernambuco Eduardo Campos, pelo vice-presidente nacional da sigla, Roberto Amaral, e pelo presidente estadual da sigla, deputado federal Márcio França. "Não sei como vamos fazer não", desabafou França.

O líder estadual do PSB admitiu que Erundina sabia da aliança com Maluf e que a presença do PP na chapa é justificada pela participação do partido no governo federal. Para ele, a imagem do encontro entre Lula, Maluf e Haddad foi "forte demais" para a deputada. "Ela é muito sensível à opinião pública", avaliou.

Segundo petistas, Lula resistiu ao encontro com Maluf. O pepista impôs a presença do ex-presidente para fechar o acordo com o PT. A imagem do encontro não foi publicada pelo site do Instituto Lula e o encontro sequer é mencionado no perfil do ex-presidente no Facebook. A última foto divulgada pelo Instituto é a de Lula deixando o hospital Sírio-Libanês na quinta-feira, 14, após passar por um procedimento de reavaliação da laringe e a remoção do cateter empregado para o tratamento de quimioterapia de combate a um câncer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.