Cunhado do governador do ES continua preso

O juiz Nélson Darby de Assis, da 8ª Vara Criminal de Vitória, decidiu manter preso o cunhado do governador José Ignacio Ferreira (sem partido) e ex-secretário de Governo do Espírito Santo, Gentil Ruy. Ele seria libertado amanhã, mas com a determinação da Justiça ficará mais cinco dias na cadeia. A prorrogação da prisão de Ruy foi pedida pelo promotor Fábio Vello, do Ministério Público Estadual, porque ele acredita que, se o ex-secretário for liberado, pode vir a ameaçar provas ou testemunhas. O cunhado do governador é um dos nove acusados de roubar R$ 4,3 milhões dos cofres públicos. Ele foi preso na última terça-feira em seu sítio, no interior do Estado. Os outros oito envolvidos continuam foragidos. O próprio Ruy também chegou a fugir, mas foi capturado pela polícia após denúncia anônima. Os R$ 4,3 milhões desapareceram durante uma suposta doação feita pelo governo estadual a um projeto ambientalista da Fundação Augusto Ruschi. O dinheiro foi depositado em uma conta da Coopeftes, uma cooperativa de crédito privada, para ser usado pela fundação, mas acabou sendo transferido para três contas particulares de Raimundo Benedito de Souza Filho, o Bené, amigo de Ruy e envolvido em outros inquéritos. Em depoimento ao MPE, o ex-secretário disse que apenas "sugeriu" que o dinheiro fosse transferido, porque queria incentivar o sistema de cooperativas, e que não sabia que o dinheiro seria destinado à fundação. Além de Bené e Ruy, estão na lista quatro pessoas ligadas à Fundação Augusto Ruschi (Dilma Ruschi, Augusto Ruschi Filho, Flávio Quintanilha e Aluízio Sá dos Santos) e três funcionários (Gabriel dos Anjos, Paulo Sérgio Torres da Silva e Marcelo Gabriel de Almeida) da Coopeftes. O MPE ouviu o depoimento do diretor do DER, Jorge Hélio Leal, que fez novas revelações sobre o caso. Segundo Leal, Ruy foi "fiador informal" de Raimundo Benedito de Souza Filho, que, em 1998, conseguiu um empréstimo de R$ 5 milhões na cooperativa de crédito, sem dar nenhuma garantia. O MP está investigando se a transferência dos R$ 4,3 milhões para contas de Ruy seria uma forma de pagar esse empréstimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.