Cunha vai de novo ao ataque e faz gesto arriscado

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), resolveu fazer um gesto arriscado ao pressionar o Supremo Tribunal Federal (STF) a publicar o acórdão sobre o rito do impeachment. Na esperança de que a Corte mude pontos da decisão, ele quer apresentar embargos de declaração, instrumento jurídico usado após a divulgação oficial do julgamento para esclarecer detalhes da sentença.

Adriano Ceolin, O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2015 | 06h25

Na prática, o STF esvaziou o poder de Cunha no impeachment. O presidente da Câmara vive um momento de extrema fragilidade política. Como disse um auxiliar de Dilma quando as investigações sobre Cunha recrudesceram: “Ele não sabe agir na defensiva”. Ele utiliza uma estratégia totalmente diferente da adotada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Desde o início das investigações da Operação Lava Jato, o senador evita dar declarações sobre o assunto. Quando questionado, Renan sempre indica seus assessores ou advogados para responder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.