André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Cunha terá palavra por 20 minutos em sessão da CCJ que analisará recurso

Deputado afastado recorreu após o Conselho de Ética aprovar processo de cassação contra ele; colegiado se reúne nesta terça

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2016 | 16h09

BRASÍLIA - O presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ), deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), confirmou nesta segunda-feira, 11, a intenção de dar continuidade nesta terça-feira, 12, à discussão do recurso do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na comissão. O recurso foi apresentado após o Conselho de Ética aprovar processo de cassação contra o deputado fluminense.

Serraglio havia estabelecido a data da reunião inicialmente para esta segunda, mas depois remarcou para terça. As idas e vindas do presidente da CCJ causaram polêmica uma vez que a data final poderia coincidir com a realização da disputa pela presidência da Câmara.

“Remarquei apenas porque não haverá mais o esforço concentrado previsto para essa semana. A sessão está mantida para amanhã e iniciará no horário de sempre”, afirmou Serraglio ao Estado.

No encontro de terça está prevista a exposição dos advogados de defesa de Cunha por até 2h19, mesmo tempo utilizado, na semana passada, pelo deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), relator do recurso. Em seguida deverá ser aberto o debate entre aqueles que são contra ou a favor do recurso.

“No final pretendo dar a palavra ao Eduardo Cunha, por até 20 minutos. Esse é o rito”, afirmou o presidente da CCJ. O deputado não quis fazer, contudo, uma previsão de quando o caso será encerrado na comissão. Casão não seja votado nesta semana, o recurso de Cunha deverá voltar à pauta somente em agosto, após o recesso legislativo.

Candidatura. Cotado para disputar a presidência da Câmara, Osmar Serraglio disse também que espera uma decisão da bancada do PMDB para se lançar oficialmente. O encontro dos peemedebistas está marcado para amanhã de manhã. 

Apesar de ser um dos postulantes, Serraglio considera que dificilmente o nome dele vai para as urnas, uma vez que o deputado e ex-ministro Marcelo Castro (PMDB-PI) já se antecipou e oficializou o nome na briga pelo comando da Casa. “Com a candidatura dele fica mais difícil eu lançar. Acabaria causando um racha dentro da própria bancada, o que não é bom para ninguém”, afirmou Serraglio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.