Agência Brasil
Agência Brasil

Cunha reúne advogados para definir sua defesa no Conselho de Ética

Presidente da Câmara é alvo de pedido de cassação de mandato no colegiado sob acusação de ter mentido ter contas no exterior para integrantes da CPI da Petrobrás

Daiene Cardoso e Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

04 Novembro 2015 | 12h49

BRASÍLIA - Um dia após a abertura do processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), se reuniu nesta quarta-feira, 4, com advogados. O peemedebista ainda não definiu a equipe que fará sua defesa no colegiado, mas vem conversando com vários advogados, entre eles o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Francisco Rezek, com o intuito de traçar uma estratégia inicial de defesa no conselho.

O presidente do conselho, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), vai anunciar nessa quarta o escolhido entre os três sorteados nessa terça para relatar o caso. Entre Zé Geraldo (PT-PA), Vinícius Gurgel (PR-AP) e Fausto Pinato (PRB-SP), o último tem maiores chances de ser o indicado. O processo de Cunha é fruto da representação assinada pelo PSOL e Rede Sustentabilidade, partidos que acusam o peemedebista de ter mentido à CPI da Petrobras ao declarar que não tinha contas bancárias no exterior.

A decisão final sobre a relatoria do caso deve acontecer após uma conversa entre Araújo e o líder do PRB na Casa, o deputado Celso Russomanno (SP), postulante à Prefeitura de São Paulo. Entre o petista e o cabo eleitoral da campanha de Cunha para a presidência da Câmara, os aliados de Araújo dizem que não sobrou outra opção ao presidente do conselho. "É uma escolha por eliminação", disse um conselheiro ao Broadcast Político.

Cunha chegou nessa quarta à Casa e não falou com os jornalistas. O encontro com advogados não consta da agenda oficial. Nessa terça, o peemedebista disse que não comentaria o sorteio dos candidatos a relator no Conselho de Ética e não adiantaria sua estratégia de defesa. "Vou provar que não faltei com a verdade", respondeu na ocasião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.