Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Cunha recorre ao STF contra bloqueio de bens

Na peça, a defesa de Cunha afirma que o juiz usurpou a competência da Corte, já que cabe ao Supremo analisar questões de pessoas que detêm foro privilegiado

Isadora Peron e Gustavo Aguiar, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2016 | 17h43

BRASÍLIA - O presidente da Câmara afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) recorreu nesta quinta-feira, 16, ao Supremo Tribunal Federal (STF), para suspender a decisão da Justiça do Paraná de bloquear os seus bens.

Na peça, a defesa de Cunha afirma que o juiz usurpou a competência da Corte, já que cabe ao Supremo analisar questões de pessoas que detêm foro privilegiado. “O magistrado de primeira instância houve por afrontar a competência dessa Colenda Corte. Tal decisão, além de passível de reforma por agravo de instrumento, impôs a elaboração do presente aditamento para demonstração da continuidade e maior gravidade da usurpação de competência."

Os advogados do peemedebista argumentam que “a prática de um ato decisório pelo juízo de primeiro grau coloca em xeque o Princípio da Separação dos Poderes (...) além de ter sujeitado sucessor da Presidência da República e demais réus a absoluta indisponibilidade de seus bens em decisão não exauriente”.

A defesa de Cunha já havia entrado com um pedido para suspender a ação de improbidade ajuizada contra ele pela força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba. O recurso desta quinta é um aditamento a essa ação, para que haja uma decisão liminar que suspenda o bloqueio dos bens até que a reclamação seja apreciada pelo ministro do STF Teori Zavascki.

A indisponibilidade dos bens e recursos de Cunha foi decretada na terça-feira pelo juiz federal Augusto César Pansini Gonçalves, da 6ª Vara Cível, em Curitiba. Ele também determou quebra do sigilo fiscal do deputado desde 2007.

A decisão atendeu um pedido liminar da Procuradoria da República não ação de improbidade administrativa questionada por Cunha no STF.

O Ministério Público investiga o suposto recebimento de propinas na compra de um campo de petróleo em Benin, na África, pela Petrobrás em 2011. O dinheiro teria abastecido as contas mantidas secretamente por Cunha na Suíça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.