Cunha rebate declarações de Dilma: 'Basta mover os lábios, que está mentindo'

No Twitter, o presidente afastado da Câmara rebateu entrevista de Dilma e afirmou que se até o ex-presidente Lula se arrependeu de tê-la escolhido, "imaginem aqueles que ela fez de idiota, mentindo na eleição"

Isabela Bonfim, O Estado de S. Paulo

29 de maio de 2016 | 12h55

BRASÍLIA - O presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), rebateu no Twitter entrevista da também afastada presidente da República, Dilma Rousseff. "Dilma mente tanto, que já estamos aprendendo a identificar quando ela mente; basta mover os lábios", escreveu. Dilma concedeu entrevista publicada nesse domingo, 29, no jornal Folha de S. Paulo. Segundo o jornal, Dilma afirmou que Cunha tem forte influência sobre o governo e que "Temer terá que se ajoelhar".

De acordo com o deputado, a fala de Dilma traz "arrogância e mentiras habituais", além de demonstrar a sua "incapacidade e desespero para governar". Ele afirmou ainda que, se até o ex-presidente Lula se arrependeu de tê-la escolhido, "imaginem aqueles que ela fez de idiota, mentindo na eleição".

"Além do crime de responsabilidade cometido e que motivou o seu afastamento, as suas palavras mostram o mal que ela fez ao País. O custo da reeleição de Dilma para o povo brasileiro já está em R$ 303 bilhões de déficit público, além de uns R$ 700 bilhões de juros da dívida", escreveu. 

Cunha afirmou que o descontrole das contas públicas aumenta a inflação e a despesa com os juros da dívida. "Sua gestão foi um desastre". E encerrou sua sequência de publicações dedicando a presidente afastada um "tchau, querida".

Na entrevista dada à Folha, a presidente afastada cita ainda o atual líder do governo na Câmara, André Moura (PSC), que é aliado de Cunha. "Podem falar o que quiserem: o Eduardo Cunha é a pessoa central do governo Temer. Isso ficou claríssimo agora, com a indicação do André Moura. Cunha não só manda: ele é o governo Temer. E não há governo possível nos termos do Eduardo Cunha", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.