Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Cunha rebate Chinaglia sobre apoio de Temer

Após petista criticar apoio de vice-presidente à candidatura do deputado pelo comando da Câmara, peemedebista classifica declaração de 'grosseira' e 'absurda'

DAIENE CARDOSO, O Estado de S. Paulo

23 de janeiro de 2015 | 12h37

Brasília - O líder do PMDB e candidato à presidência da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (RJ), voltou à carga no Twitter para rebater as críticas de seu oponente, Arlindo Chinaglia (PT-SP), à atuação do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), na campanha do peemedebista. Cunha disse que era "absurda", "desrespeitosa" e "grosseira" a citação de Chinaglia.

"Tenho certeza que, assim como eu, Michel deve estar arrependido de um dia ter ajudado esse cidadão a ser presidente da Câmara", escreveu Cunha se referindo à primeira eleição de Chinaglia para a presidência da Casa. O petista comandou a Câmara entre 2007 e 2009. 

Nesta quinta-feira, 22, Chinaglia respondeu às críticas do adversário, que vem reclamando da interferência de membros do governo na disputa. "Você acha normal um vice-presidente da República apoiar uma candidatura?", indagou.

No comentário, Cunha lembrou que Temer é presidente nacional do PMDB há 13 anos e atualmente vice-presidente "sem qualquer poder de nomear ou influenciar qualquer coisa". "Michel não tem caneta, nem tinta e apenas exerceu o seu legítimo direito de opinar partidariamente. Se todos do PT só fizessem isso, ninguém reclamaria", emendou. O deputado insistiu que Temer fez apenas uma "manifestação partidária", diferentemente dos ministros "que tentam forçar a votarem".

PT e PMDB vem protagonizando nos últimos dias sucessivas trocas de acusações. Enquanto Cunha diz ser vítima de "alopragem" e da pressão de ministros sobre suas bancadas, os petistas alegam que os membros do Executivo agem como militantes e negam que o governo esteja oferecendo cargos para conquistar votos para Chinaglia.

*

Tudo o que sabemos sobre:
CâmaraEduardo CunhaArlindo Chinaglia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.