Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Cunha pede que PMDB avalie se deve participar da disputa

Deputado afastado diz em grupo de aplicativo que partido deve analisar chance real de vencer eleição na Câmara

Erich Decat / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2016 | 01h54

Após oficializar a renúncia à presidência da Câmara, o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) recorreu ao grupo de WhatsApp da bancada do PMDB para tratar de sua sucessão. Nas trocas de mensagens, segundo peemedebistas que fazem parte do grupo no aplicativo, Cunha ressalta que é necessário o partido avaliar se de fato deve participar da disputa pela presidência da Casa.

Até a sexta-feira, cinco deputados já haviam apresentado oficialmente seus nomes, sendo dois do PMDB, um do PP, um do Solidariedade e um do PTN. Dos cinco, dois são adversários de Cunha: Fausto Pinato (PP-SP), que foi destituído da relatoria do processo contra o peemedebista no Conselho de Ética, e Marcelo Castro (PMDB-PI), ex-ministro da Saúde do governo Dilma Rousseff.

“Ele diz que é para verificar se o PMDB deve entrar, se tem de fato chance”, afirmou um deputado que integra o grupo. Segundo integrantes da bancada, Cunha está “mais para o lado do Centrão do que do próprio PMDB”. De acordo com outro deputado da bancada, nas mensagens Cunha diz que a eleição deve ser o mais breve possível. Lembra que o presidente interino, Waldir Maranhão (PP-MA), enfrenta um processo de cassação dentro do PP, e que isso poderia abrir um nova disputa na Mesa para o cargo de primeiro-vice-presidente da Casa.

Apesar de sempre ter feito parte do grupo de mensagens, Cunha tinha uma participação esporádica. Segundo relatos, ele postava apenas notas, que distribuía à imprensa, para conhecimento prévio dos colegas.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
“Ele (Cunha) é ativo, mas disse que não vai se meter (na disputa pela presidência da Câmara).” Jovair Arantes (PTB-GO) , líder do partido na Câmara
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Cunha passou o dia ontem na residência oficial da Câmara. Até o fim da tarde, o movimento no local foi apenas de servidores. “Ele ficou em casa, mas me ligou à tarde para dizer que não ia querer participar das discussões sobre a disputa pela presidência da Câmara. E que queria voltar às atividades para resgatar a sua vida”, afirmou o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), aliado do peemedebista.

Ao ser informado sobre a troca de mensagens, Jovair disse: “Ele é ativo politicamente, mas me disse que não vai se meter”.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.