André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Cunha orienta aliados a ficar calmos em reunião do Conselho de Ética

Advogado do presidente da Câmara deve pedir a suspeição de Fausto Pinato em sessão para leitura do parecer favorável à admissibilidade de abertura de processo contra o peemedebista

Daniel Carvalho, O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2015 | 12h48

BRASÍLIA - Diante da repercussão negativa das manobras realizadas na semana passada, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), orientou seus aliados a manter a calma e deixar seguir a sessão do Conselho de Ética desta terça-feira, 25. Nesta terça, o protagonismo da defesa ficará a cargo do advogado Marcelo Nobre, que defende o peemedebista no colegiado da acusação de ter mentido à CPI da Petrobrás, em março deste ano, ao dizer que não tinha contas no exterior.

A sessão está marcada para começar às 14h30. Na ocasião, será lido o parecer preliminar do relator Fausto Pinato (PRB-SP), que será favorável à admissibilidade de abertura do processo, ou seja, defenderá que Cunha seja investigado na ação que pode culminar com a cassação do mandato do parlamentar por quebra de decoro.

O relatório poderia ser votado já nesta tarde, mas aliados de Cunha pedirão vista, o que levará a votação para a próxima semana.

Nesta terça, o foco de Marcelo Nobre será justamente Pinato. Na defesa preliminar apresentada na semana passada, o advogado faz críticas ao relator. Nobre pede a suspeição de Fausto Pinato alegando “pré-julgamento” ao detalhar seu parecer à imprensa antes de o documento ser apresentado aos membros do conselho e antes da apresentação da defesa.

Integrantes da tropa de choque de Cunha dizem que só entrarão em ação se identificarem que o regimento da Câmara está sendo desrespeitado.

Na semana passada, os aliados do peemedebista tentaram inviabilizar a sessão do Conselho de Ética. O ato mais extremo foi a anulação da reunião do colegiado, decisão tomada no plenário principal pelo deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), que assumiu interinamente a presidência da sessão e foi orientado por Cunha. Deputados de diversos partidos se rebelaram e deixaram o plenário. Eduardo Cunha, então, recuou e suspendeu a anulação da sessão.

Admissibilidade. Nos bastidores, aliados de Cunha já admitem que a admissibilidade deve mesmo ser aprovada. Apesar do pacto de não agressão entre o Palácio do Planalto e o presidente da Câmara, os três petistas que integram o conselho disseram que votarão a favor do parecer de Fausto Pinato.

A ala mais a esquerda do PT defende a radicalização da postura do partido contra Cunha. No entanto, estes parlamentares estão sendo enquadrados. Um grupo de deputados reuniu-se na noite de segunda-feira, 23, com o ministro Jaques Wagner (Casa Civil) na casa do deputado Paulo Pimenta (PT-RS).

Todos saíram de cara fechada e sem querer fazer comentários sobre o encontro. "O ministro está aí. Pergunte a ele", reagiu Jorge Solla (PT-BA) ao ser abordado por jornalistas. O deputado Luiz Couto (PT-PB) tentou subir o vidro do táxi que tomou ao deixar o encontro para não falar com os repórteres. Com dificuldade para encontrar o interruptor, deixou o local com a janela aberta dizendo que precisava tomar um remédio. A deputada Moema Gramacho (PT-BA) disse que discutiu com seus pares "conjuntura política", mas negou que a situação do presidente da Câmara tenha feito parte do tema abordado na conversa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.