Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Sem a menor chance', diz Cunha sobre possível renúncia

Apesar das negativas do peemdebista, dentro da Câmara circula, entre alguns parlamentares, a informação de que ele deverá renunciar ao cargo, antes ou durante a sessão, marcada para as 19h

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2016 | 16h32

BRASÍLIA - O deputado afastado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou na tarde desta segunda-feira, 12,  que pretende renunciar ao mandato.

Questionado pelo Estado se procedia a informação de que iria abrir mão do cargo diante da possibilidade de o plenário iniciar a votação do processo de cassação nesta segunda-feira, o peemedebista foi enfático: “Não. Sem a menor chance”.

Apesar das negativas de Cunha, dentro da Câmara circula, entre alguns parlamentares, a informação de que ele deverá renunciar ao cargo, antes ou durante a sessão, marcada para as 19h.

Em meio aos rumores, integrantes da assessoria técnica da Casa esclareceram aos jornalistas que, caso Cunha apresente um pedido de renúncia, ele continuará com a prerrogativa do foro privilegiado até a conclusão da votação.

A renúncia, no entanto, não interrompe o processo, ou seja, a Câmara ainda assim deve votar a cassação. Mas, diante do impacto da decisão do peemedebista, há a possibilidade de a sessão ser tumultuada por ação de aliados do deputado e obrigue o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a interrompê-la. Assim, Cunha ganharia tempo e continuaria com foro privilegiado até ser marcada nova sessão e a votação definitiva do processo.

Desde a última quinta-feira, 8, o peemedebista já teve negados ao menos três pedidos de suspensão ou modificação do processo de cassação. Na quinta-feira, a decisão da Corte contra Cunha foi por 10 votos a 1, na noite do domingo, 11, o ministro Edson Fachin rejeitou pedidos da defesa do deputado afastado para que o processo fosse suspenso e de um aliado do peemedebista para permitir a apresentação de emendas durante a votação que pode levar à cassação do mandato de Cunha

Às 16h05, o painel da Câmara já registrava a presença de 218 deputados na Casa e 159 na sessão. Alguns aliados do peemedebista, que integra o chamado Centrão, dão como certo de que haverá quórum suficiente para votar o processo de cassação hoje.

Rodrigo Maia tem ressaltando, contudo, nos últimos dias, que só abrirá a sessão caso tenha um quórum mínimo de 420 deputados. Para que Cunha seja cassado são necessários no mínimo 257 votos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Rodrigo MaiaEdson Fachin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.