Cunha gasta quase R$ 1 milhão com viagens em jatinho

Jatinhos, viagens pelo País, almoços, jantares, banners e buttons. A rotina que lembra uma campanha presidencial marcou o janeiro dos deputados que disputam hoje a presidência da Câmara. Com o recesso parlamentar, Arlindo Chinaglia (PT-SP), Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Júlio Delgado (PSB-MG) rodaram os Estados atrás de votos de seus pares.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2015 | 02h04

Primeiro a iniciar a maratona de viagens, em dezembro, Cunha percorreu os 27 Estados em um jatinho. A maior estrutura de campanha foi a dele. Segundo o candidato, foi o partido quem financiou seus deslocamentos. O gasto com a aeronave foi estimado em R$ 900 mil pelo próprio candidato ao Estado. Ontem, Cunha, por meio do Twitter, negou o valor. "Não tenho ainda condição de falar qualquer coisa, pois é tudo faturado ao PMDB", disse. "Quem passou esse número mentiu." Em 2012, o atual presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que deixa o cargo e o Congresso, usou o avião emprestado de Newton Cardoso (PMDB-MG).

A conta de almoços e jantares, segundo o candidato do PMDB, foi rateada entre os convidados. Evangélico, Cunha também teve ajuda de pastores para obter votos e de familiares na equipe de campanha. A filha do deputado, Danielle Cunha, cuidou de seu site. Cunha afirmou que pagou com seus recursos a confecção de banners, cartazes e outros materiais.

As despesas de Chinaglia com aluguel de jatinhos e voos de carreira são pagas pelo PT. O petista encomendou site, cartazes e adesivos. Os gastos não foram divulgados.

Tido como azarão, Delgado disse só ter feito voos de carreira, pagos pelo PSB. Para a produção do material de campanha, contou com o marqueteiro de Aécio Neves (PSDB) na corrida presidencial, Paulo Vasconcelos, que não cobrou pelo serviço.

Último a sair candidato, Chico Alencar (PSOL-RJ) não viajou. Fez 100 cópias de suas propostas, a R$ 150. / D.C. e ERICH DECAT

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.