ED FERREIRA/ESTADAO
ED FERREIRA/ESTADAO

Cunha é mais gentil com Dilma do que eu, diz Arlindo Chinaglia

Petista afirma não estar ressentido por ter perdido eleição, mas desaprovou o comportamento do adversário ao longo da campanha

Fábio Brandt, Vera Rosa e Erich Decat, O Estado de S. Paulo

01 Fevereiro 2015 | 22h07

O deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP), derrotado na eleição para presidente da Câmara dos Deputados, afirmou, após a divulgação do resultado da votação, que o candidato vencedor, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), "sempre foi" mais "gentil" no contato com a presidente da República, Dilma Rousseff.

Chinaglia deu a declaração após ser instado a dizer o que achava de o novo presidente da Câmara ser um "inimigo" da presidente da República. "Eu acho que ele sempre foi muito mais, no contato com ela, como eu diria... Muito mais... Qual é o termo? 'Gentil' com ela do que eu", afirmou.  

O petista disse também não estar ressentido por ter perdido a eleição. Mas deixou claro que não gostou do comportamento do adversário ao longo da campanha. "Veja, durante o processo eleitoral, na minha opinião, o Eduardo rompeu uns cercadinhos", disse.

"Respeitamos a decisão da maioria, então faz parte do processo democrático", disse sobre o resultado da votação. "Na medida em que a maioria decidiu, não tenho o que questionar."

Traição. Arlindo Chinaglia também foi questionado sobre o fato de sua votação ter sido menor que o número de deputados que compuseram o bloco de partidos que o apoiou. "Uma parte deles [dos aliados] não votou em mim", disse. "O que você quer que eu diga? Com a experiência que eu tenho, eu não posso ter o direito de me surpreender."

Mais conteúdo sobre:
Câmara Eduardo Cunha Arlindo Chinaglia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.