DIDA SAMPAIO|ESTADAO
DIDA SAMPAIO|ESTADAO

Cunha diz que seu advogado vai recorrer à CCJ e ao STF sobre processo no Conselho de Ética

Presidente da Câmara classificou representação protocolada pelo PSOL e Rede como 'pífia' e fruto de processo 'político'; o peemedebista afirmou ainda estar 'tranquilo' com relação ao processo

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2015 | 19h17

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta terça-feira, 24, que sua defesa deverá recorrer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa e ao Supremo Tribunal Federal (STF), questionando o processo contra ele no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar. O peemedebista classificou a representação protocolada pelo PSOL e Rede como "absolutamente pífia" e fruto de um processo "político".

Na avaliação de Cunha, a representação é pífia pois apenas repete trechos da acusação feita contra ele pelo Ministério Público. A Procuradoria-Geral da República denunciou Cunha pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro acusado de ter recebido propina de ao menos US$ 5 milhões em contratos de navios-sonda da Petrobrás. "Para você considerar que trecho de acusação feito pelo MP gere processo por quebra de decoro, tem 160 parlamentares que respondem a inquérito no STF, você teria que ter 160 representações", disse. 

O presidente da Câmara afirmou ainda que não assistiu à reunião do Conselho de Ética desta terça e que delegou a seu advogado comandar toda sua defesa na sessão. O peemedebista disse não ter dúvida nenhuma de que o relator do processo contra ele, Fausto Pinato (PRB-SP), está sob suspeição e afirmou que sua defesa entrará com recurso para questionar a manutenção do deputado no posto, estabelecida pelo presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA).

'Tranquilo'. Cunha disse ainda estar "absolutamente tranquilo" em relação a todo o processono Conselho de Ética. Em entrevista coletiva nesta terça ele voltou a dizer que não há "qualquer hipótese" de renunciar ou se afastar do cargo, mesmo que temporariamente.

"Estou absolutamente tranquilo", afirmou Cunha ao ser questionado se teme ter o mandato cassado. "Estou tranquilo em relação a tudo", frisou, diante da insistência dos jornalistas.

O presidente da Câmara voltou a negar que tenha feito acordo com o governo ou com o PT para obter apoio à sua permanência no cargo em troca da não deflagração do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Casa. "Não participo de nenhum acordo. (...) Propagaram uma mentira", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.