Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Cunha diz que PMDB está 'doido para cair fora' da aliança com PT

O presidente da Câmara acredita que seu partido não está no governo, já que não participa das discussões públicas, e que Temer conseguiu melhorar 'muito' a articulação política; possível candidatura em 2018, no entanto, não foi comentada

Daiene Cardoso e Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2015 | 12h25

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que agora "todos estão falando a mesma língua" em seu partido em relação ao rompimento da aliança com o PT para as próximas eleições. Segundo Cunha, os peemedebistas estão "doidos para cair fora". "Ninguém aguenta mais aliança com o PT", resumiu.

Para o peemedebista, a realidade é que seu partido não está no governo porque não participa das discussões públicas. Em sua avaliação, só os ministros ocupam espaço na Esplanada dos Ministérios. No entanto, por "responsabilidade com a governabilidade", ele pregou que a legenda continue no governo Dilma. "Seria uma irresponsabilidade sair do governo", declarou. Ele, no entanto, não descartou um rompimento antes de 2018.

Em sua avaliação, o vice-presidente Michel Temer conseguiu melhorar "muito" a articulação política com o Congresso e talvez, sem ele, a pauta do ajuste fiscal não teria passado. "Sem o Michel, o caos estaria instalado".

Cunha evitou falar em futura candidatura à Presidência da República e diz que não pensa no futuro. "Penso no presente", desconversou. Ele afirmou que o tempo definirá quem representará a sigla na disputa de 2018. "Todo mundo que usou o cargo com ambição pessoal deu com os burros n'água", afirmou.

Em pé de guerra com os petistas, Cunha ironizou a possibilidade de haver um panelaço durante seu pronunciamento em cadeia de rádio e TV na noite desta sexta-feira, 17. "Estou fazendo prestação de contas, não estou esperando aplausos", respondeu. Ele disse que "ficará muito feliz" se houver manifestação contrária porque isso significará que o PT estará liderando o movimento, o que dará mais destaque ao pronunciamento. "Será um PTzaço", brincou. 

Embora tenha criticado o "espetáculo" na Operação Lava Jato, principalmente no cumprimento de mandado de busca e apreensão contra políticos nesta terça, 15, Cunha - que é um dos investigados - evitou fazer comentários sobre o andamento das investigações. "Estou muito tranquilo. Não devo nada"

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo Cunhacrise políticaPMDBPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.