ANDRE DUSEK|ESTADÃO
ANDRE DUSEK|ESTADÃO

Vaiado em evento do PMDB, Cunha defende distanciamento do governo e candidatura em 2018

Voz (do PMDB) não pode ser abafada por meia dúzia de carguinhos, disse o presidente da Câmara no Congresso da Fundação Ulysses Guimarães; segundo ele, vaias contrárias não existiram

Vera Rosa, Carla Araújo e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2015 | 13h59

Atualizada às 15h29

Brasília - O presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi vaiado nesta terça-feira, 17, ao iniciar seu discurso no congresso do partido em Brasília. Manifestações contra o parlamentar também aconteceram na chegada do vice-presidente da República e presidente da sigla, Michel Temer, quando uma mulher na plateia gritou, alto: "Fora Cunha!".

Em sua fala, Cunha defendeu o distanciamento do governo e candidatura própria à Presidência da República, em 2018. "Essa voz (do PMDB) não pode ser abafada por meia dúzia de carguinhos", provocou ele, numa referência à ampliação do espaço do partido na Esplanada dos ministérios.

Segundo o parlamentar, o PMDB não pode se furtar do debate sobre ter candidato à Presidência da República em 2018. De acordo com ele, “é inevitável” que o partido terá candidato próprio nas próximas eleições gerais. Para o peemedebista, a discussão sobre o programa partidário que a legenda pretende lançar em breve foi “um grande passo” rumo a esse objetivo.

“Independe daqueles que concordam ou não com o programa, o PMDB tem uma proposta para o Brasil sair da crise e do imobilismo que estamos”, afirmou. Cunha ressaltou que não adianta o PMDB tentar operar um caminho para ter candidatura própria, senão tiver um programa. “O PMDB terá candidato em 2018. Isso é inevitável”, disse. Em uma referência ao governo do PT, ele afirmou que a sigla não tem compromisso “com aquilo que está sendo colocado”, “porque não participamos da elaboração”.

Vaias. Na saída do evento do PMDB, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), evitou falar com a imprensa mas, ao tentar acessar a sala VIP, viu-se obrigado a responder a algumas perguntas. Ele minimizou as vaias durante o seu discurso: "Não houve vaias".

Após diversas tentativas dos seguranças para abrir e a possibilidade de buscar um caminho alternativo, Cunha finalmente conseguiu entrar na sala em que estava o vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer.

Entre as diversas perguntas feitas pelos jornalistas, Cunha respondeu apenas sobre a questão dos vetos presidenciais, que devem ser apreciados em sessão conjunta do Congresso nesta noite. "Por mim, não há problemas", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.