TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Sem citar Lava Jato, Cunha diz que não se intimidará por acusações falsas

Presidente da Câmara é alvo de um inquérito aberto para investigar o suposto envolvimento do deputado no esquema de corrupção na Petrobrás

José Roberto Castro e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2015 | 13h56

SÃO PAULO - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta segunda-feira, 27, sem citar a Operação Lava Jato, que não se intimidará por "acusações falsas". O peemedebista é alvo de investigação da Procuradoria-Geral da República, em Brasília. Um inquérito foi aberto para investigar o suposto envolvimento do deputado na Lava Jato.

"A história não reserva lugar aos covardes. Covardia não faz parte do meu vocabulário", afirmou o presidente da Câmara durante um almoço em São Paulo, promovido pelo Lide - um grupo de empresários. 

Fazendo uma análise aos empresários, Cunha recapitulou sua crise com o governo e disse que "sem hegemonia eleitoral não se consegue hegemonia política". Sobre o resultado das eleições de 2014, o peemedebista disse que o resultado apertado, que não garantiu a hegemonia ao governo, "foi uma vitória".

Cunha acusou ainda o governo de "estimular a criação de partidos artificiais para tumultuar", em referência ao apoio de setores do governo à recriação do PL com o auxílio do ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD). 

Após o almoço, o peemedebista vai encontrar o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, no Palácio dos Bandeirantes, na zona sul da capital. 

Tudo o que sabemos sobre:
PMDBEduardo CunhaOperação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.