ANDRESSA ANHOLETE|ESTADAO
ANDRESSA ANHOLETE|ESTADAO

Cunha discute possibilidade de levar impeachment ao plenário em um domingo

Segundo um aliado do peemedebista, a intenção é conseguir maior adesão de manifestantes favoráveis ao afastamento de Dilma; presidente da Câmara deve começar votação por Estados onde há mais deputados contra a presidente

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2016 | 13h14

Brasília - Alinhado com os partidos de oposição, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), vem discutindo a possibilidade de fazer a sessão de votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff no plenário num domingo. A intenção é estimular a presença de manifestantes no gramado do Congresso Nacional para pressionar os deputados a votarem pelo afastamento da petista.

"É para o povo poder participar", resumiu um aliado do peemedebista. Oficialmente, Cunha diz que ainda não escolheu a data da votação e que ela depende de uma série de fatores para ser definida. Se não houver judicialização, a expectativa é que o processo de impeachment vá ao plenário em meados de abril.

Outro ponto em discussão é a votação no plenário em si. Como se trata de chamada nominal, os parlamentares votarão de maneira aberta, ou seja, dirão sim ou não ao afastamento da petista no microfone. Cunha já externou a líderes partidários que pode iniciar a chamada pelos deputados de Estados do Sul, onde há maior adesão ao impeachment, e finalizar com os parlamentares do Norte.

A oposição pretende lançar nas dependências da Casa um "placar do impeachment", com o acompanhamento cotidiano do posicionamento de cada parlamentar. Também foi acordado que haverá "coordenadores do impeachment" por Estado e por bancada, além de deputados escalados para rebater as ações dos governistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.