Divulgação
Divulgação

Cunha critica ‘falta de inteligência’ de relator da reforma

Presidente da Câmara diz que parecer de Marcelo Castro é ‘confuso’ e que prefere que o texto seja votado em plenário

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

18 de maio de 2015 | 17h48

Atualizado às 22h38

Brasília - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o relator da comissão que discute a reforma política, Marcelo Castro (PMDB-PI), trocaram críticas nesta segunda-feira, 18, ao abordar o parecer que deve ser votado nesta terça no colegiado. Cunha criticou o texto de Castro e disse preferir que a comissão deixe a votação para o plenário, onde geralmente consegue impor sua vontade.

Contrário a vários pontos do relatório, ele disse faltar “perspicácia e inteligência política” a Castro e pode não mantê-lo como relator do texto no plenário, onde quer votar item por item da reforma na próxima semana. Castro reagiu afirmando que o presidente deveria ter escolhido um relator “mais submisso”.

Em entrevista no final da tarde, o presidente da Casa disse temer que o relatório possa “engessar” a votação em plenário. “Acho que não deve votar amanhã (hoje, na comissão). Votar sem a gente evoluir aqui o debate pode até inviabilizar a votação. É preferível até que a comissão não vote, que leve para plenário para permitir (a votação)”, afirmou.

O único ponto do relatório defendido por Cunha é o que estabelece o distritão como sistema eleitoral. Pelo modelo, não há mais eleições proporcionais, vence quem obtiver mais votos. Castro é contrário a esse modelo e o incluiu com ressalvas em seu relatório sob pressão de Cunha e do vice-presidente Michel Temer.

" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

O único ponto do relatório defendido por Cunha é o que estabelece o distritão como sistema eleitoral. Pelo modelo, não há mais eleições proporcionais e vence quem obtiver mais votos. Castro é contrário a esse modelo e o incluiu com ressalvas em seu relatório sob pressão de Cunha e do vice-presidente Michel Temer. 

Cunha criticou a intenção de Castro de alterar a duração dos mandatos para o Senado. No início da semana passada, Castro definiu mandato de cinco anos, depois ampliou para dez anos e, no fim da semana, retornou à proposta de cinco anos. “Quando os deputados falam de alterar o mandato de senador é quase que uma agressão. Até porque já sabem que não vai passar lá (no Senado). É de uma falta de perspicácia política você querer impor o tamanho do mandato ao Senado. É falta de inteligência política”.

Ao se defender, Castro disse que Cunha deveria ter escolhido um relator “mais submisso”. “Eduardo escolheu o relator errado (...). Ele sabe perfeitamente das posições que venho assumindo durante todo esse tempo. Ele deveria ter escolhido um relator mais submisso à vontade dele e não um relator que tem a independência e autonomia que eu tenho. Da próxima vez ele vai pensar duas vezes quando for escolher um relator”, reagiu.

O relator afirmou que o presidente da Câmara foi desrespeitoso com toda a comissão. “Acho desrespeitosas as opiniões que o presidente da Casa emitiu a respeito do relatório, que não é meu, não é dele. É a expressão da vontade da maioria da comissão. Como presidente da Casa, ele jamais poderia tratar os membros da comissão dessa maneira desrespeitosa.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.