André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Cunha classifica Agenda Brasil como 'jogo de espuma sem conteúdo'

Presidente da Câmara do Deputados lembrou que algumas das propostas apresentadas por Renan Calheiros vieram da Casa

Gustavo Porto, O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2015 | 15h28

Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), classificou nesta quarta-feira, 12, a chamada Agenda Brasil, proposta pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL) ao governo como "um jogo de espuma sem conteúdo concreto, cuja parte da espuma veio da própria Câmara, anteriormente". Para Cunha, parte das medidas propostas na agenda pós ajuste fiscal é da Câmara, como a terceirização trabalhista. 

"Algumas propostas são nossas, como a terceirização, (apreciada) já há quatro meses. Outros temas que chegarem, vamos estudar" afirmou Cunha logo após almoço de deputados do PMDB com o vice-presidente Michel Temer.

Cunha reafirmou que qualquer proposta apresentada precisará passar pela Câmara, apesar de a Agenda Brasil não ter sido tratada na reunião dos parlamentares com Temer. "Propostas boas para o País sempre terão nosso apoio, assim como gostaria que nossas propostas que estão tramitando, como a terceirização, já poderiam ser tratadas", disse. "Não se pode ignorar que temos outra Casa com igual peso e até com representatividade mais capilar e diferenciada", completou.

Ele negou que haja uma tentativa de isolá-lo dentro do PMDB, e afirmou, inclusive, que foi convidado para o encontro nesta manhã entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Temer, ministros e senadores do partido, mas que não compareceu por ter outro compromisso. "Lula tem todo direito como ex-presidente e ser político de conversar e debater com quem quiser."

Já sobre a proposta de Temer de tentar unir o partido por meio de um encontro entre ele e Renan, o presidente da Câmara afirmou não ter "problema com quem quer que seja". "É só me convidar que eu vou à reunião", concluiu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.