Cunha diz que 'intenção' é analisar vetos nesta quarta-feira

Presidente da Câmara destacou vetos da presidente Dilma em relação à reforma política; 'Temos que encerrar esse assunto'

CARLA ARAÚJO, O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2015 | 14h37

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que a sessão que continuará analisando os vetos presidenciais deve ocorrer mesmo nesta quarta-feira, 30, e a intenção é que isso ocorra. Contudo, salientou que é preciso que os parlamentares conheçam os vetos da presidente Dilma Rousseff em relação à reforma política. A principal preocupação dos parlamentares é em relação ao financiamento empresarial e a janela partidária. "É desejo nosso que se vote os vetos da reforma política porque, independente de quem concorda ou não concorda com o conteúdo, nós temos que encerrar esse assunto", disse Cunha.

Antes de embarcar para os Estados Unidos, a presidente Dilma Rousseff deixou assinado o decreto presidencial que veta o financiamento empresarial de campanhas.

Cunha criticou o pedido do ministro Gilberto Kassab (Cidades) para que o governo vetasse o ponto da reforma política relacionado à fidelidade partidária, visando atrair filiados para o partido que pretende recriar: o PL. Pela nova regra aprovada pela Câmara, um parlamentar pode trocar de partido sem perder o mandato apenas no sétimo mês antes da eleição do último ano do seu mandato. Ou seja, um deputado, por exemplo, só poderia trocar de legenda em 2017, o que inviabilizaria a estruturação do novo partido de Kassab.

"Essa incerteza que o governo tem levado até o ultimo minuto não foi boa para o processo", disse. "Se o governo veta o prazo de filiação, o prazo de filiação passa a ser sexta-feira e não daqui a seis meses. Isso nos dá uma incerteza no processo absolutamente desnecessária", completou.

Cunha disse ainda que durante café da manhã nesta terça-feira com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), reforçou a necessidade de que o assunto em torno da reforma política seja esgotado. "Acho que o Senado tem que fazer o esforço de votar a PEC, seja para aprovar, rejeitar total ou parcialmente, mas deveria fazê-lo. Acho que esse assunto tem que ser esgotado", disse, destacando que a Câmara já fez "todo o esforço possível" sobre o tema.

Segundo Cunha, o presidente do Senado pediu o dia de hoje para costurar dentro da Casa acordo sobre o tema. "Acho que ele está consciente que temos que fechar esse ciclo."

Reforma ministerial. Cunha não quis comentar a reforma ministerial que está sendo costurada pelo governo. "A reforma ministerial é problema do governo, problema da presidente, não me cabe falar sobre isso", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.