Cultura é prioridade para inclusão social, diz Gil diz na OEA

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, desafiou os 35 países integrantes da Organização dos Estados Americanos (OEA) a incluir a cultura na pauta das políticas fundamentais para o desenvolvimento das economias e para o fomento à inclusão social. Durante a segunda reunião de ministros da OEA, encerrada ontem no México, Gil criticou as indústrias culturais que "não realizam a inclusão na produção, difusão e no acesso ao que é produzido". Para o ministro, a indústria cultural também não realiza "o seu potencial de geração de renda, empregos, diversidade, igualdade de oportunidades, pluralidade, liberdade de expressão e de criação e de auto-estima". O ministro ressaltou que "o mesmo vale para a ação do Estado". Gil participou da reunião com o objetivo de "formular, em conjunto, medidas capazes de valorizar e proteger as expressões e os bens culturais de nossas sociedades e estimular o intercâmbio entre nossas culturas", explicou. E enfatizou: "As políticas públicas de cultura não podem ser mais secundárias, frágeis, periféricas. Elas são as políticas sociais e de infra-estrutura do século 21."Do México, Gilberto Gil segue para Lisboa, onde se encontrará com a ministra da Cultura de Portugal, Maria João Bustorff. Em seguida, irá a Berlim (Alemanha), para lançar o projeto Copa da Cultura 2006. As informações são da Radiobrás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.